Reflexão sobre o impacto da inteligência artificial (IA) no ensino superior

Por João Geraldes, CEO da 2B-On e Professor no ISCAL

Algumas tecnologias de IA existem há mais de 50 anos, porém o aumento da capacidade de processamento dos computadores, da velocidade e da largura de banda, combinado com o elevado número de dados disponíveis em formato digital, promoveu a utilização de novos algoritmos e ao desenvolvimento da IA nos últimos anos, com aplicação em diversos domínios, inclusive na educação.

Segundo um estudo publicado este ano (Edward W. Felten, 17.04.2023), por investigadores das Universidades de Princeton e da Pensilvânia, revelou que 8 em cada 10 profissões mais expostas às ferramentas de AI são da área da educação.

Procurar limitar ou proibir a utilização destas ferramentas, será como “travar um tsunami com um balde”. As oportunidades para o ensino são muito maiores que os seus constrangimentos.

Atualmente como membro e fundador da DSPA – Data Science Portuguese Association, a preocupação de como aplicar estas ferramentas, esteve sempre associado à preocupação ética, moral e de privacidade na forma como as organizações tentam implementar e escalar os sistemas de inteligência artificial e de ciência dos dados, recomendo a leitura do trabalho de investigação: Explorando o impacto da inteligência artificial no ensino e na aprendizagem no ensino superior.(Stefan A. D. Popenici, 2017)

Segundo Sal Khan (Khan, 2023), CEO da Khan Academy, a inteligência artificial pode desencadear a maior transformação positiva que a educação já viu. As oportunidades passam por colocar os estudantes e os professores a colaborarem com ferramentas de IA – incluindo o potencial de um tutor pessoal de IA para cada aluno e um assistente de ensino de IA para cada professor – e apresenta alguns desses recursos através do chatbot educacional, Khanmigo.

A inteligência artificial facilita a criação de sistemas de aconselhamento e de aprendizagem que melhoram a experiência do aluno e dos professores e o enriquecimento curricular e uma atualização mais célere dos conhecimentos.

O (Parlamento Europeu) , está apostado em criar condições que promovam o combate a desinformação, melhorar as traduções digitais e desenvolver assistentes digitais com recurso à IA, recursos que deverão ser incorporados no ensino. O Fórum Económico Mundial, avaliou como é que a inteligência artificial transformará as universidades, afirmando que a IA é uma nova infraestrutura científica que terão que abraçar e liderar no domínio da investigação e da aprendizagem, caso contrário tornar-se-ão cada vez mais irrelevantes e eventualmente redundantes. – (Word Economic Forum, 2017).

Torna-se igualmente necessário atualizar os conteúdos e a oferta formativa, para responder às necessidades do mercado, porque os alunos não só esperam que os conteúdos sejam ensinados de forma mais dinâmica, interativa e colaborativa, como mais ajustado às exigências do mercado de trabalho, o Fórum Económico Mundial prevê que a IA irá gerar 97 milhões de empregos até 2025, porém estima que irão ser perdidos 85 milhões de empregos. (Fonte: (World Street Journal, 2023).

Os docentes podem já hoje com recurso a ferramentas de IA, por exemplo o https://app.heygen.com/ fazer um vídeo e o mesmo ser convertido para qualquer língua, com a sua própria voz, será sincronizado para qualquer língua.

A IA poderá igualmente ser utilizada para avaliar os alunos, rever trabalhos e análise dos mesmos, tanto oralmente, como escritos, apoiando os docentes e orientando os alunos com os objetivos pedagógicos propostos. Esta semana, a plataforma de voz de IA da ElevenLabs, tornando acessível o conteúdo acessível em qualquer idioma e em qualquer voz.

O conhecimento será disponibilizado a um ritmo mais rápido e global, e acompanhar essa evolução é um desafio para os profissionais da educação, mas igualmente uma oportunidade para afirmar as Universidades e os Politécnicos, mas dinâmicos e com visão e políticas mais orientadas para a investigação e inovação das suas práticas e dos seus ativos. Vivemos numa sociedade de informação e nunca tivemos acesso a tanta informação, como agora, porém o acesso à informação, não nos garante igual acesso ao conhecimento. O facto de os nossos alunos terem facilmente acesso à informação, não lhes tem garantido a resolução de todos os problemas, o papel do docente e das universidades continua a ser fundamental para o crescimento da sociedade e na preparação de profissionais para as carreiras de base intelectual, científica e técnica com mais complexidade que se perspetivam para um futuro recente.

Bibliografia

  • Khan, S. (2023, 04). TED X. Retrieved from https://www.ted.com/talks/sal_khan_how_ai_could_save_not_destroy_education
  • Parlamento Europeu. (2020, 09 04). O que é a inteligência artificial e como funciona? Retrieved from Atualidade | Parlamento Europeu: https://www.europarl.europa.eu/news/pt/headlines/society/20200827STO85804/o-que-e-a-inteligencia-artificial-e-como-funciona?at_campaign=20234-Digital&at_medium=Google_Ads&at_platform=Search&at_creation=DSA&at_goal=TR_G&at_audience=&at_topic=Artificial_Int
  • World Street Journal. (2023, 04 17). Artificial Intelligence and the Future of Employment | Students discuss the impact of AI and machine learning for jobs and education. Retrieved from WSJ: https://www.wsj.com/articles/artificial-intelligence-and-the-future-of-employment-college-students-education-jobs-ai-d4470007
  • Stefan A. D. Popenici, S. K. (2017). Exploring the impact of artificial intelligence on teaching and learning in higher education. Research and Practice in Technology Enhanced Learning, 12, Artigo nº: 22.
  • Word Economic Forum. (2017, 08 09). Artificial intelligence will transform universities. Here’s how. Retrieved from Worl Economic Forum | Education, Skills and Learning: https://www.weforum.org/agenda/2017/08/artificial-intelligence-will-transform-universities-here-s-how/
  • Edward W. Felten, M. R. (17.04.2023). How will Language Modelers like ChatGPT Affect Occupations and Industries? SSRN – Elsevier, Available at SSRN: https://ssrn.com/abstract=4375268 or http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.4375268.