A crise do FTX que colocou a indústria da criptomoeda em tumulto

Um buraco de 8 mil milhões de dólares, a retirada pela Binance do resgate da plataforma e uma investigação ao seu fundador por desviar fundos de clientes geraram uma avalanche no setor da criptomoeda que evidencia a falta de transparência e regulamentação deste mercado.

Foto: Depositphotos

Por Francisca Domínguez

Uma enorme sombra paira sobre o setor de criptomoedas. As dificuldades financeiras e a falta de transparência de uma das principais plataformas de troca de criptoativos, a FTX , arrastaram consigo toda a indústria de criptomoedas, causando uma queda no valor das principais criptomoedas, como bitcoin ou ethereum .

A FTX já estava com problemas financeiros quando a Binance, a maior exchange de criptomoedas, veio em seu socorro e anunciou sua intenção de adquirir a plataforma fundada por Sam Bankman-Fried. Na época, foi divulgado publicamente que Bankman-Fried estava a ser investigado pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) por supostamente usar dinheiro de clientes da FTX para financiar os investimentos da sua empresa de capital de risco Alameda Research.

A avalanche foi imparável. Por um lado, os clientes da FTX, que ouviam as notícias das dificuldades financeiras da empresa e do suposto desvio de fundos por Bankman-Fried, correram em massa para resgatar o seu dinheiro. Em poucos dias, a FTX tinha perdido 8 mil milhões de dólares e Bankman-Fried a sua fortuna.

Por outro lado, a Binance voltou atrás na intenção de comprar a FTX, observando que, “Como resultado de due diligence, bem como das recentes notícias de uso indevido de fundos de clientes e supostas investigações de agências dos EUA, decidimos que iremos não avançar com a potencial aquisição da FTX.com.” A empresa precisava de pelo menos 4.000 milhões de dólares para sobreviver à crise e ninguém esteve disposto a auxiliá-la.

As criptomoedas já passavam por um mau momento, com valores bem abaixo do que na sua “idade de ouro” há alguns anos. Com a crise do FTX, a falta de transparência e regulação de um setor que ganhava força como plataforma global de investimentos ficou mais evidente do que nunca.

Como consequência, a bitcoin caiu 5,84%, para 16.727 dólares, o nível mais baixo em dois anos. O mesmo aconteceu com o ethereum, cujo valor caiu 5,22% (197 dólares). No entanto, as criptomoedas não são as únicas afetadas pela possível falência da FTX: os seus investidores também estão a observar o que acontece com a empresa de olhos bem abertos. BlackRock, SoftBank, Sequoia, Tiger Global Management, Binance Labs, Ontario Teachers’ Pension Fund e Sovereign Wealth de Singapura são algumas das organizações que participaram nas mais recentes rondas de financiamento.

O caso do FTX fez com que as grandes plataformas de criptomoedas, como as já mencionadas Binance, Kraken ou OKX, começassem a trabalhar no desenvolvimento de novas formas de transparência. Isso, enquanto o Regulamento sobre Mercados de Ativos Cripto (MiCA), a primeira legislação abrangente sobre este assunto a nível europeu, ainda aguarda aprovação pelo Parlamento Europeu.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado