Coffee Break: Nuno Pena avalia o impacto da transformação digital na justiça

Conversámos com o sócio da CMS Portugal a propósito do estudo feito pela multinacional de advocacia, que permite uma avaliação sobre os impactos da transformação digital na justiça e ainda a capacidade das soluções tecnológicas, com inteligência artificial, como ferramentas importantes para todo o setor.

Por João Miguel Mesquita

A CMS quis compreender melhor os riscos tecnológicos, e que planos as empresas adotam para gerir o mesmo no futuro no momento em que estamos: um momento de mudança significativa. Por isso, em fevereiro e março de 2022, a multinacional de advocacia, sondou mais de 500 consultores empresariais e gestores de risco de múltiplas indústrias de todo o mundo sobre os riscos associados às tecnologias críticas para as empresas, incluindo as tecnologias emergentes.

Este estudo mostra alguns dados interessantes como: 81% dos inquiridos diz ter a necessidade de atualizar constantemente as suas tecnologias de modo a assegurar que pode competir com outras empresas no seu setor, contudo 29% não tem um plano de gestão de crises para situações de falhas de tecnologia e 46% não tem um plano de resposta a incidentes para gerir ciberataques.

O estudo tem também um olhar para o futuro, onde 69% dos inquiridos estima que o seu negócio fará maior uso das novas tecnologias como IA os próximos 3 anos contudo, 50% dos inquiridos acredita que o uso de tecnologias IA vai dar origem a riscos e litígios acrescidos que não podem ser antecipados atualmente, e 56% dos inquiridos estima que IA será a principal fonte de riscos acrescidos.

O estudo mostra ainda, que 57% dos inquiridos concorda que haverá cada vez mais recurso a novos meios de resolução de litígios para decidir litígios decorrentes do uso de novas tecnologias.

Veja aqui o o estudo: Technology Transformation: Managing Risks in a Changing Landscape




Deixe um comentário

O seu email não será publicado