Ericsson, Qualcomm e Thales querem levar 5G para lá da rede terrestre

As redes não terrestres podem ajudar a fornecer cobertura 5G global completa, incluindo áreas atualmente sem redes terrestres.

A Ericsson, a empresa aeroespacial francesa Thales, e a Qualcomm, estão planear levar o 5G para fora deste mundo por meio de uma rede de satélites na órbita da Terra.

Depois de realizar pesquisas detalhadas, incluindo vários estudos e simulações, as empresas planeiam começar a testar e validar redes 5G não terrestres (5G NTN) focadas em casos de uso de smartphones.

O resultado pode efetivamente significar que um futuro smartphone 5G poderá usar a conectividade 5G em qualquer lugar da Terra e fornecer cobertura global completa para serviços de dados de banda larga, incluindo locais normalmente cobertos apenas por sistemas telefónicos.

Espera-se que os benefícios da conectividade 5G via satélites Low Earth Orbit (LEO) incluam cobertura em geografias extremas ou áreas remotas em mares, oceanos e outros locais onde não há cobertura terrestre.

Esta conectividade abrangente aumentaria os recursos de roaming para assinantes de smartphones 5G, além de permitir a conectividade global para casos de uso 5G nos setores de transporte, energia e saúde.

Os recursos de segurança esperados das NTNs 5G significam que as comunicações de um governo podem ser o principal caso de uso para melhorar a segurança dos Estados e as redes de segurança pública dos governos.

Erik Ekudden, vice-presidente de tecnologia da Ericsson, diz: “Esta cooperação de teste e validação entre a Ericsson, a Thales e a Qualcomm será um marco importante na história das comunicações, pois o resultado final pode significar que, onde estivermos na Terra, no meio de um oceano ou na floresta mais remota, a conectividade de alto nível, segura e económica estará disponível através da conectividade terrestre e por satélite colaborativa 5G.”

Por sua vez John Smee, vice-presidente de engenharia da Qualcomm, afirma: “Para que o 5G cumpra a promessa de conectividade omnipresente, é imperativo que ele também seja capaz de fornecer cobertura de rede em áreas onde não existem redes celulares terrestres, seja sobre oceanos ou em áreas remotas. A nossa pesquisa planeada com a Ericsson e a Thales dará início a um passo importante para tornar realidade essa tecnologia vital. Estamos ansiosos pelo que esta colaboração pode alcançar.”

Philippe Keryer, vice-presidente executivo de estratégia, pesquisa e tecnologia da Thales, acrescentou: “A implantação de redes 5G marca uma mudança radical para o setor de telecomunicações. É um divisor de águas, não apenas em termos de oportunidades de negócios, mas também nas competências necessárias para conectar e proteger bilhões de pessoas e coisas. A Thales está profundamente envolvida nisso através das diferentes atividades do Grupo. A colaboração de pesquisa com a Ericsson e a Qualcomm demonstrará a crença das nossas empresas de que as redes 5G não terrestres contribuirão para essa revolução e levarão a resiliência e a segurança da rede para o próximo nível.”

A Cooperação

Os testes e a validação pela Ericsson, Thales e Qualcomm, após a aprovação de março de 2022 do 3GPP, o órgão global de padrões de telecomunicações, visam admitir redes não terrestres pela primeira vez.

O objetivo dos testes será validar vários componentes de tecnologia necessários para habilitar redes 5G não terrestres, incluindo um smartphone 5G, carga útil de satélite e peças de rede 5G no solo.

Este trabalho também visa validar que o 5G NTN pode ser suportado num formato de smartphone, permitindo que o aparelho 5G de amanhã se torne efetivamente um telefone via satélite. Os testes iniciais ocorrerão em um ambiente espacial simulado em França, onde está sediada a maior parte da indústria espacial europeia.

A Ericsson planeia verificar uma pilha RAN virtual 5G (vRAN), modificada para lidar com a propagação de sinais de rádio (o que acontece com as ondas de rádio 5G que viajam pelo vácuo do espaço e pela atmosfera da Terra) através dos satélites LEO de movimento rápido.

A Thales planeja verificar uma carga útil de satélite de rádio 5G adequada para implantação em satélites LEO, enquanto a Qualcomm planeia fornecer telefones de teste que verifiquem se futuros smartphones 5G podem aceder ao 5G NTN.

Os especialistas usarão equipamentos terrestres para emular a propagação de rádio 5G e os atrasos de tempo entre um satélite equipado em órbita e um smartphone 5G conectado à rede de acesso de rádio 5G em diferentes locais da superfície da Terra.

Ekudden acrescenta: “Embora seja muito cedo para dizer quando qualquer protótipo de satélite equipado com 5G resultante poderá ser lançado em órbita para uso operacional real, a validação altamente técnica baseada em terra e o trabalho de teste planeado entre Ericsson, Thales e Qualcomm são fundamentais para o tornar possível.”

Como uma tecnologia apoiada em 3GPP, as NTNs 5G poderão capitalizar em um grande ecossistema de produtos e componentes padronizados. A nova especificação também permite a inclusão de tecnologias NTN em dispositivos 5G, oferecendo oportunidades para provedores de tecnologia estenderem de maneira fácil e rápida a compatibilidade 5G NTN entre dispositivos.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado