Os dados como centro gravitacional

Organizações de todos os setores precisam de ter visibilidade do estado dos seus negócios e usam dados e análises para tomarem decisões comerciais e operacionais sólidas. Podemos dizer, portanto, que os dados se tornaram no centro de gravidade em torno dos quais gira o resto da organização e não apenas as tecnologias da informação.

Por Ignacio Cobisa, analista da IDC

Para sobreviver e prosperar em condições de mercado desafiantes, as empresas procuram explorar novas fontes de dados que, juntamente com uma camada de inteligência, facilitem novos fluxos de receitas com monetização de dados ou iniciativas de otimização de custos com base nestes dados.

Neste contexto, existe um espectro cada vez mais amplo de tecnologias que facilitam a gestão de dados por parte das organizações. De facto, segundo dados da IDC, a gestão de dados destaca-se como o principal destino do investimento em software em Espanha no âmbito do desenvolvimento e implantação de aplicações.

Embora seja geralmente aceite que os dados são o combustível das organizações e, de facto, mais de 86% das organizações espanholas têm atualmente algum tipo de solução analítica de negócios, é também necessário ir mais longe e abordar as considerações enfrentadas pelas empresas no que diz respeito à privacidade, integridade e integração de dados nos processos, serviços e decisões em tempo real.

Estas considerações são agravadas pelo enorme volume de dados disponíveis para as organizações e aspetos relacionados com este crescimento exponencial, tais como a importância da escalabilidade, ou o quão relevantes e homogéneos estes dados são.

Neste contexto da explosão do universo digital, vale a pena notar que menos de 5% da quantidade total de dados criados é analisável.

Para conseguirmos a inteligência dos dados, devemos, portanto, ser capazes de sintetizar informação, ou seja, ser capazes de converter dados em informação e depois em conhecimento. De particular importância neste processo é o processo de contextualização. De acordo com dados da IDC, 77,4% das organizações acreditam que os dados contextualizados são fundamentais para o sucesso. As empresas devem compreender as diferentes expectativas contextuais dos seus clientes, quer sejam estudantes, pacientes, consumidores ou empresas, e mudar a forma como interagem e apoiam os seus clientes para criar experiências que sejam empáticas, pessoais, convincentes e relevantes.

Uma questão muito relevante em relação à aplicação da inteligência a este volume massivo de dados é se estes dados se devem mover para os ambientes onde uma camada de inteligência é aplicada para alcançar considerações relevantes para as empresas, ou se deve ser essa camada de inteligência a mover-se para o ambiente de dados. Esta consideração está ligada ao conceito de dados acima referido como o centro gravitacional das organizações.

Finalmente, outro ponto de nota no ambiente da estratégia de dados diz respeito às tecnologias-chave que permitem a realização de políticas sustentáveis. As organizações enfrentam pressões crescentes de diferentes partes interessadas, incluindo investidores, colaboradores, comunidades e reguladores para tomarem medidas significativas em questões de sustentabilidade. A este respeito, a tecnologia desempenha um papel fundamental na abordagem destas preocupações para ajudar a criar valor empresarial sustentável.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado