Sonae MC está a desafiar startups nacionais e internacionais a testarem soluções em ambiente real

A Sonae MC está a aceitar candidaturas até 6 de março em https://disruptretail.sonaemc.com/ e os projetos escolhidos serão anunciados em abril, data a partir da qual iniciarão a colaboração com a empresa.

A empresa está à procura de soluções que impactem significativamente a cadeia de valor de retalho com destaque para a “loja do futuro”, e-commerce, novas formas de trabalhar, serviços de saúde e bem-estar, experiência do consumidor e universo digital. 

Entre as tecnologias valorizadas na iniciativa “Disrupt Retail – Call for Technology by Sonae MC” estão a inteligência artificial, realidade virtual e aumentada, Internet of Things, robótica e blockchain.

Na 2.ª edição do Disrupt Retail – Call for Technology by Sonae MC, em 2020, foram submetidas 136 candidaturas de 20 países diferentes e foram testados 5 conceitos. O goodbag (Áustria) foi um dos conceitos testados e consiste em sacos de compras com design exclusivo e 100% algodão orgânico, que incorporam um mini-chip que permite ajudar o planeta de cada vez que são reutilizados. Outro exemplo foi o teste realizado com a Threedium (Reino Unido), onde se colocou à prova a automatização da geração de modelos 3D a partir de fotografias 2D possibilitando melhorar a experiências dos clientes nos canais digitais.

As startups selecionadas têm acompanhamento exclusivo de mentoria com especialistas da Sonae MC em tecnologia e retalho e a possibilidade de verem os seus projetos implementados num ecossistema com mais de 3 milhões de famílias, distribuídas por cerca de 1.000 lojas de várias marcas. 

Miguel Moreira, Administrador da BIT, área de sistemas de informação da Sonae MC, afirma que “privilegiamos a inovação e acreditamos na cooperação e cocriação como fontes importantes para conceber novas soluções e fazer mais e melhor para os nossos clientes, colaboradores e parceiros. Com o Disrupt Retail queremos desafiar e ajudar as startups a implementarem os seus projetos piloto em contexto real, desenhando o futuro do retalho em conjunto.”

Além das startups, o programa está também acessível a centros de investigação e desenvolvimento, bem como a empresas e agências que apresentem soluções suficientemente maduras para serem testadas.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado