Zero Trust uma prioridade que as empresas têm dificuldades em adotar

De acordo com uma pesquisa realizada pela One Identity from Quest Software, o Zero Trust é a prioridade de segurança máxima para a maioria das organizações, mas a compreensão e adoção abrangentes do conceito continuam inconsistentes.

Enquanto 75% das empresas reconhecem o Zero Trust como crítico ou muito importante para apoiar a postura global de cibersegurança, apenas 14% reportam a implementação integral de uma solução. Outros 39% das organizações começaram a responder a esta importante necessidade e outros 22% notaram que planeiam implementar o Zero Trust durante o próximo ano.

“As organizações reconhecem que o perímetro tradicional já não é suficiente e que serão melhor servidos priorizando a segurança de identidade e tomando medidas para garantir que os criminosos sejam limitados assim que tenham acesso”, diz Rogério Soares, Diretor de Pré-Vendas e Serviços Profissionais da LATAM da Quest Software. “O Zero Trust está a tornar-se rapidamente essencial porque elimina permissões vulneráveis e acesso excessivo, fornecendo uma série de direitos diferentes em toda a organização para limitar as superfícies de ataque se forem violadas”, acrescenta.

Entre os principais obstáculos ao sucesso do Zero Trust está a falta de clareza sobre como a adoção pode ser alcançada: cerca de 61% dos profissionais de segurança estão a concentrar a sua implementação na reconfiguração das políticas de acesso, enquanto 54% acreditam que começa por identificar como os dados sensíveis se movem em toda a rede e 51% estão a implementar novas tecnologias para alcançar o Zero Trust.

No total, 32% das equipas de segurança não têm uma compreensão abrangente de como o Zero Trust deve ser implementado. Outras barreiras prioritárias concorrentes (31% estão demasiado ocupadas com outras prioridades diárias) e crenças de que o Zero Trust pode prejudicar a produtividade das empresas (por exemplo, 31% acreditam erradamente que os modelos de segurança Zero Trust afetam a produtividade dos colaboradores).




Deixe um comentário

O seu email não será publicado