Relatório da Ericsson indica que o tráfego de dados móveis aumentou quase 300 vezes ao longo de 10 anos

O relatório analisa algumas das tendências e os acontecimentos mais importantes que moldaram a última década, além de revelar as previsões para 2027.

A premissa de que o 5G se tornará na geração móvel de implementação mais rápida até à data é reforçada por uma estimativa atualizada de cerca de 660 milhões de subscrições de 5G até ao fim do corrente ano. O aumento deve-se a uma procura superior ao esperado na China e na América do Norte, impulsionada em parte pela diminuição dos preços dos dispositivos 5G. Houve também um acréscimo líquido de 98 milhões de subscrições de 5G a nível global no 3.º trimestre de 2021, comparativamente a 48 milhões de novas subscrições de 4G. No final de 2021, estima-se que mais de dois mil milhões de pessoas terão acesso a redes 5G.

De acordo com as últimas previsões, o 5G está bem posicionado para se tornar na tecnologia de acesso móvel dominante por subscrições a nível global até 2027. Por essa altura, perspetiva-se que o 5G represente cerca de 50 por cento de todas as subscrições móveis mundiais – abrangendo 75% da população mundial e representando 62% do tráfego global de smartphones.

Fredrik Jejdling, Vice-presidente Executivo e Chefe de Redes da Ericsson, afirma: “A comunicação móvel teve um impacto incrível na sociedade e nos negócios ao longo da última década. Quando olhamos em perspetiva para 2027, as redes móveis serão mais integrais do que nunca na forma como interagimos, vivemos e trabalhamos. O mais recente Ericsson Mobility Report demonstra que o ritmo de mudança está a acelerar, com a tecnologia a desempenhar um papel crucial”.

Desde 2011, a implementação de redes LTE 4G foi preponderante na criação de 5,5 mil milhões de novas ligações de smartphones a nível mundial, contribuindo para mais de 20.000 modelos de dispositivos 4G diferentes disponíveis no mercado. O relatório indica um ciclo de vida muito mais precoce na tecnologia dos dispositivos 5G, com os aparelhos de 5G a representarem atualmente 23% dos volumes globais, em comparação com 8% nos aparelhos de 4G no ponto homólogo do seu ciclo de vida.

Esta realidade está a alimentar um crescimento exponencial do tráfego de dados móveis. No 3.º trimestre de 2021, o tráfego de dados de redes móveis cresceu 42% face ao período homólogo, a aproximadamente 78 EB, incluindo o tráfego gerado por serviços de Acesso Fixo sem Fios (FWA). No 3.º trimestre, foi gerado mais tráfego de dados móveis do que a totalidade de tráfego móvel gerado até ao final de 2016. Novas previsões revelam que, provavelmente, o tráfego total de dados de redes móveis alcançará os 370 EB até ao final de 2027.

O relatório revela ainda que a natureza das ligações móveis está em rápida transformação, contribuindo para o aumento continuado em tráfego de dados móveis. A IoT de banda larga já ultrapassou o 2G/3G como o segmento que liga a maior porção de aplicações de IoT.  Estima-se que represente 47% de todas as ligações de IoT celulares até ao fim de 2021, comparativamente a 37% para 2G/3G e 16% para tecnologias de IoT em massa (NB-IoT e Cat-M).

As novas previsões reafirmam a rápida aceleração das implementações de IoT em massa nos próximos anos, abarcando casos de utilização como os wearables de saúde eletrónica, o controlo de recursos logísticos, a monitorização ambiental e os medidores inteligentes, assim como os dispositivos inteligentes de controlo e monitorização da produção. É expectável que as implementações de IoT em massa constituam 51% de todas as ligações de IoT celulares até 2027.

No mesmo período de projeção, espera-se que as ligações de FWA cresçam quase três vezes – de 88 milhões até ao final de 2021 para cerca de 230 milhões em 2027. Estima-se que quase metade destas ligações sejam efetivadas através de redes 5G.


Tags


Deixe um comentário

O seu email não será publicado