Salesforce prevê aumento de preços ao consumidor até 20% durante o período de festas que se avizinha

A Salesforce, apresentou os novos insights e previsões globais para o consumidor relativamente à temporada de compras de Natal do ano 2021. A empresa espera que as compras online dos consumidores nesta época cheguem, mais uma vez, a um bilião de dólares (trillion) a nível global, mas os consumidores, retalhistas e fornecedores deverão enfrentar um aumento dos custos e stock reduzido devido à pressão global na gestão da cadeia logística.

Enquanto o crescimento das vendas online deve ser moderado em comparação com o aumento histórico de 50% no ano passado, e mais em linha com as tendências de crescimento pré-pandemia, os hábitos de compra online iniciados durante a pandemia irão persistir e impulsionar as vendas totais para taxas recordes neste período. As previsões da Salesforce apontam assim para:

  • Crescimento geral de 7% face a 2020 no comércio online global nos meses de novembro e dezembro (desacelerando de 50% de crescimento em 2020);
  • Espera-se que as vendas digitais totais alcancem um recorde global de 1.2 biliões de dólares (trillion) e 259 mil milhões de dólares só nos Estados Unidos;
  • O crescimento do comércio digital será impulsionado por um aumento de 20% nos preços ao consumidor, apesar de menos pedidos de encomendas durante o período de festas (-2% a nível global e -4% nos Estados Unidos).

Enquanto os retalhistas e consumidores enfrentam os desafios da pandemia pelo segundo período de Natal consecutivo, a Salesforce prevê:

  • Retalhistas e fornecedores: as três forças-chave que exerceram pressão significativa na gestão da cadeia logística são: a capacidade de fabrico, custos de logística e escassez de mão de obra. No total, a Salesforce prevê que o setor do retalho nos EUA enfrente 223 mil milhões de dólares extras no custo dos produtos vendidos durante o período de compras de Natal. 
  • Consumidores: com problemas de stock e custos mais elevados que potenciam a inflação e cortam as margens, são esperados preços mais elevados no retalho, a nível de mercadorias. Na verdade, a Salesforce projeta que os consumidores vejam um aumento de 20% nos preços durante a época natalícia e posteriormente. E, com esta subida de preços, o uso global do “compre agora, pague depois” será provavelmente responsável por 8% dos pedidos online para as compras de Natal (96 mil milhões de dólares em todo o mundo e 20 mil milhões de dólares nos EUA), um aumento face aos 4% reportados no mesmo período de 2020. 

 A disponibilidade do produto e menos atrasos nos envios face a 2020 

Um dos maiores desafios do último ano foram os atrasos nas entregas à porta dos consumidores. Embora as preocupações persistam este ano, são muito menos generalizadas. A Salesforce projeta uma redução de 94% nas encomendas com risco de atraso, ou 40 milhões de encomendas em todo o mundo, número inferior aos 700 milhões no ano passado. Espera-se que apenas cinco milhões de encomendas estejam em risco de atraso nos Estados Unidos.

Fim dos “cookies” de Natal: departamentos de marketing enfrentam novas mudanças

Com a legislação global e as mudanças nas preferências dos consumidores a darem lugar a uma maior privacidade na Internet, os departamentos de marketing estão a enfrentar uma das maiores disrupções vistas nos últimos cinco anos. O rastreamento da atividade do utilizador através de dados de terceiros na web e em aplicações móveis deve tornar-se mais cara, senão impossível, e os dados primários – dados que as organizações recolhem e gerem sobre os seus consumidores – serão os mais relevantes. 

Espera-se que os programas de fidelização, envolvimento de media social e marketing através de email personalizado ofereçam oportunidades aos profissionais de marketing na batalha pelos dados primários, com a Salesforce a projetar um crescimento de 30% no tráfego de comércio eletrónico de referências sociais e um aumento de 18% no marketing por email em novembro e dezembro, em comparação com a última temporada natalícia. 

Locais físicos tornam-se numa parte crítica da estratégia digital

A combinação entre colaboradores de loja – que dão resposta a pedidos online, e oferecem um corredor infinito de produtos, e que dão resposta aos compradores digitais e se tornam em influenciadores sociais – juntamente com compradores que fazem compras em dispositivos móveis enquanto estão na loja, indica que os locais físicos irão servir como uma componente crítica de estratégias digitais neste período. 

Como resultado, prevê-se que mais de seis em cada dez pedidos online globais sejam influenciados por locais físicos. Ao mesmo tempo que a escassez de mão de obra está a causar estragos no período que antecede esta temporada, está a tornar-se mais crítico do que nunca para os colaboradores das lojas darem resposta às crescentes expectativas dos consumidores. 




Deixe um comentário

O seu email não será publicado