Plataforma TICtank lança livro sobre “desinformação e teorias da conspiração”

Esta obra pretende explicar que “historicamente, não vivemos numa era de teorias da conspiração” e que “não só a percentagem de crentes destas teorias diminuiu em grande escala” como “há muitos poucos indícios de que as teorias da conspiração se tenham realmente tornado mais populares nos últimos meses”.

O jornalista especializado em tecnologias de informação e comunicação (TIC), Pedro Fonseca, é o editor do mais recente título da plataforma TICtank. O “I Must Not Tell Lies: desinformação e teorias da conspiração”, partilha o conhecimento de vários especialistas sobre um dos temas mais pertinentes da atualidade. O livro fala-nos da desinformação. Um termo que “agrega duas definições mais corretas em inglês, a “disinformation” (informação intencionalmente enganadora) e a “misinformation” (informação imprecisa). Ambas se juntam para a elaboração de teorias da conspiração e é neste ambiente que vivemos atualmente.”

Esta obra pretende explicar que “historicamente, não vivemos numa era de teorias da conspiração” e que “não só a percentagem de crentes destas teorias diminuiu em grande escala” como “há muitos poucos indícios de que as teorias da conspiração se tenham realmente tornado mais populares nos últimos meses”, apesar dos seus defensores se mostrarem mais radicais e marcarem presença nos media e redes sociais.

A Internet e os media salvaram  “idiotas da Internet” porque “qualquer crença, por mais absurda que seja, será apoiada online por alguém”. E isto quando, nomeadamente na atual pandemia, “pessoas com níveis de conhecimento mais baixos tendem a exagerar o quanto sabem”.

E é neste estranho contexto que “os conspiradores são sempre vencedores” porque, ao tentar desmontar os seus argumentos, reforça-se a ideia de validade da própria teoria da conspiração por um alegado interesse em encobrir “a verdade”. O que fazer, então?

Além do que é explicado nas entrevistas elaboradas para o European Science-Media Hub, esta obra inclui notas sobre as notícias falsas online, do francês Conseil National du Numérique, e recomendações da Comissão Europeia e da UNESCO.

Faça o download do livro aqui.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado