Estudo revela que marcas de confiança como Microsoft e Zoom foram as mais usadas em campanhas de phishing

Com a eclosão da pandemia, as vidas dos cidadãos foram para a Internet e os cibercriminosos optaram por imitar as marcas em que as pessoas mais confiaram nos últimos tempos.

Microsof e Zoom foram as marcas preferidas para os cibercriminosos se obter sucesso coma as  suas tentativas de phishing durante 2020. No total, 80% destas campanhas ilícitas tentaram fazer-se passar por estas empresas para enganar as suas vítimas, de acordo com dados do Atlas VPN. Durante o ano passado, quase 600.000 campanhas de phishing de falsificação de identidade de marca foram registadas, das quais 40.906 foram exclusivas. Destes, a Microsoft foi usada por 70% e a plataforma de videochamada por 10%.

O terceiro lugar da lista é ocupado pela Amazon, cuja imagem foi usada em cerca de 7% das campanhas de phishing , segundo o banco norte-americano Chase Bank (2%). Outras marcas que também sofreram inúmeros casos são Internet eFax, fornecedora de software financeiro Intuit, a empresa de saúde CVS, a American Express e a Netflix.

Desta forma, a tecnologia foi a indústria mais suplantada no ano da pandemia . O motivo, de acordo com o relatório, é que, com a eclosão da pandemia, as vidas dos cidadãos foram para a Internet e os cibercriminosos optaram por imitar as marcas em que as pessoas mais confiaram nos últimos tempos. Este segmento é seguido pelos setores de telecomunicações, retalho, finanças e logística.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado