As empresas duvidam que colaboradores consigam detetar ciberataques

Dados da S21sec mostram ainda que 38% das empresas reconhece que foram vítimas deste tipo de ataques (de phishing) no último ano.

 Cerca de um ano depois do primeiro confinamento em Portugal, o teletrabalho passou a ser uma realidade para muitas empresas e colaboradores. Com o aumento do teletrabalho, registou-se também um aumento dos ciberataques no último ano e, de acordo com a S21sec, 36% das empresas não têm a certeza se os seus colaboradores são capazes de prevenir e detetar um ciberataque.

O contexto atual trouxe riscos adicionais relacionados com os mecanismos de acesso remoto para teletrabalho, a proteção de informação nos sistemas e redes utilizados pelos colaboradores fora dos escritórios e a vulnerabilidade a ataques de negação de serviço. Em Portugal, a S21sec regista que os principais ciberataques são realizados com recurso ao phishing e à partilha e distribuição de malware, com técnicas cada vez mais aprimoradas pelos atacantes.

A S21sec conclui ainda que 38% das empresas reconhece que foram vítimas deste tipo de ataques no último ano. Quando efetuados com sucesso, o impacto de um ciberataque traz consequências graves não só para o negócio de qualquer organização, mas também para a reputação da marca.

“Os novos modelos de trabalho obrigam a que estruturas de sistemas, aplicações e redes estejam preparadas para o acesso remoto e para uma nova força de trabalho dispersa pelos vários locais onde se encontram. É importante existir uma proteção eficaz dos endpoints que usamos diariamente, como os computadores portáteis por exemplo, mas também alertar os colaboradores para os riscos que existem atualmente e como devem proceder para os minimizar”, explica José Luís Silva, Head of Integration da S21sec.

Recomendações para evitar um ciberataque

Face ao crescimento da possibilidade de se sofrer um ciberataque devido ao aumento do teletrabalho, a S21sec partilha seis recomendações importantes para diminuir o risco de um incidente interno:

  1. Pense antes de clicar: nunca abra um anexo e não clique num link de remetentes que não conhece.
  2. Não confie em promoções, ofertas ou sorteios: verifique sempre as páginas oficiais das empresas.
  3. Verifique a fonte: principalmente se o e-mail solicitar a confirmação de informações pessoais e/ou financeiras.
  4. Atualize as suas senhas: e não as reutilize nas suas redes sociais ou em sites potencialmente inseguros.
  5. Instale soluções de segurança nos seus dispositivos e mantenha-os atualizados.
  6. Tenha cuidado com as informações que publica nas redes sociais: não partilhe dados pessoais ou imagens que o possam comprometer ou à sua organização.

“Para além de alertar para os perigos que o teletrabalho em massa acarretou numa fase inicial, é também importante que as pessoasestejam sempre alerta. Uma desatenção ou descuido ao aceder a determinados sites ou clicar em determinados links, pode abrir a porta a um ciberataque que depois irá naturalmente ter diversas consequências, seja em termos pessoais ou, sobretudo, para a empresa à qual o trabalhador está associado”, explica José Luís Silva, Head of Integration da S21sec.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado