Pluton: um chip de segurança para o Windows 10

A Microsoft garante que os cibercriminosos começaram a inovar novas formas de ataque, aproveitando o canal de comunicação que existe entre a CPU e o TPM dando-lhes a oportunidade de roubar ou modificar as informações em trânsito.

A Microsoft anunciou o lançamento de um novo processador de segurança Microsoft Pluton , juntamente com  AMD, Intel e Qualcomm para futuros computadores Windows. O objetivo da gigante americana é que os dispositivos com seu sistema operativo tenham segurança no mesmo núcleo, incorporada ao CPU, para garantir que o hardware e o software estejam totalmente integrados.

Até agora, a proposta de segurança do sistema operativo na maioria dos computadores residia num chip separado da CPU, chamado Trusted Platform Module (TPM ). O TPM é um componente de hardware usado para ajudar a armazenar com segurança passwords e medidas que verificam a integridade do sistema. Estes módulos são compatíveis com o Windows há mais de 10 anos e potencializam muitas tecnologias críticas, como Windows Hello e BitLocker.

A empresa garante que os cibercriminosos começaram a inovar novas formas de ataque, aproveitando o canal de comunicação que existe entre a CPU e o TPM e dando-lhes a oportunidade de roubar ou modificar as informações em trânsito. “Com o Microsoft Pluton esta possibilidade é eliminada, já que a segurança é construída diretamente no CPU e, portanto, nenhuma dessas informações pode ser removida do processador, mesmo que um invasor instale malware e estiver na  posse física do PC”.

O Pluton também incorpora a tecnologia Secure Hardware Cryptography Key (SHACK) para que as passwords não sejam expostas fora do hardware protegido, incluindo o próprio firmware do Pluton. Este novo chip também faz parte do projeto Cerberus, para fornecer uma identidade segura para o CPU que pode ser certificada, melhorando assim a segurança da plataforma em geral.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado