“Os custos de estar errado na cibersegurança nunca foram tão altos”

Entre todas as ciberameaças, o ransomware, é um dos mais bem-sucedidos e que está a tornar-se mais agressivo, difundido e sofisticado.

O COVID-19 afetou o comportamento dos cibercriminosos “de forma alarmante”. Afirmou Kris Hagerman, CEO Global da Sophos , durante a celebração do Sophos Day 2020. “Eles nunca foram tão ativos e agressivos.” Entre todas as ameaças, o executivo destacou o ransomware, como um dos mais bem-sucedidos e que está a tornar-se mais agressivo, difundido e sofisticado. Funciona tanto em grandes empresas que pedem resgates multimilionários – Maze exigia 15 milhões de dólares de uma empresa apesar de não ser capaz de criptografar seus arquivos – quanto nas PMEs – Darma é uma das famílias mais lucrativas e exige em média 8.600 dólares.

Da mesma forma, e embora a computação em nuvem seja um impulso para a inovação, o ransomware também é uma das ameaças mais relatadas neste ambiente, de acordo com dados dos laboratórios de pesquisa da empresa. E, uma pesquisa interna revelou que 51% dos questionados admitem ter tido pelo menos um incidente grave devido a esse ataque, e 70% alguma violação na cloud, a maioria relacionada a roubo de identidade. “ Os custos de errar em uma estratégia de cibersegurança nunca foram tão altos ”, acrescentou o executivo.

Hagerman tem aconselhado empresas a investirem em prevenção, formação e segurança avançada que conta com sincronização, adaptabilidade e previsibilidade com tecnologias de capital como inteligência artificial e  machine learning . O executivo insistiu ainda na necessidade de monotorização permanente. “Estamos no meio de uma corrida entre os bons e os maus e um ataque bem-sucedido pode colocar uma empresa fora do mercado.”

“A cibersegurança é um desporto interativo”

Globalmente, a Sophos espera faturar 900 milhões milhões de dólares este ano fiscal, tem 450.000 clientes e, em média, as suas soluções crescem em vendas 30% ao ano. 

Ricardo Maté, Diretor Geral da Sophos Ibérica , acredita que a crise do coronavírus acelerou a transformação digital em dois ou três anos e que a cibersegurança está a tornar-se mais importante do que nunca. “Os cibercriminosos vagam livremente e visam todos os setores.” Por isso a estratégia de soluções da empresa foca na simplicidade, nas pessoas e na proatividade. “A cibersegurança é um desporto interativo e proativo; os ‘maus’ continuamente sofisticam seus métodos. “




Deixe um comentário

O seu email não será publicado