O perfil do freelancer português: homem, trabalhador remoto com rendimento acima de 1.000€ por mês

Freelancers são trabalhadores por conta própria que disponibilizam serviços a uma ou mais entidades. Isto significa que podem aceitar os projetos que entenderem, o que lhes confere uma gestão mais precisa da sua carreira e carga laboral. Mas será esta a realidade? E na realidade portuguesa, quem integra esta comunidade e o que podemos aprender com ela? Focada em ligar freelancers e empresas, a Fiverr ajuda a quebrar tabus sobre esta forma de trabalho ao traçar o perfil de quem opera neste mundo.
 
Em setembro, a Fiverr entrevistou 250 freelancers portugueses para melhor compreender a comunidade local. A maioria são homens (81%), com idades entre os 25 e os 44 anos, que residem nos distritos de Lisboa/Setúbal/Leiria (29%), no Algarve (12%) e na Beira Alta (11%). Tendo em conta que a última média salarial mensal levantada pela Pordata (2018) é de 970€ para empregados por conta de outrem, o dinheiro é definitivamente um fator positivo, já que metade dos participantes declararam receber entre 12.000€ e 18.000€ anuais e a outra metade entre 18.001€ e 28.000€.

No que diz respeito ao trabalho, os clientes estão repartidos 50/50 entre nacionais e internacionais e realizar o mesmo a partir de casa não é novidade, visto que a maioria dos freelancers portugueses (51%) já o fazia antes da pandemia. Numa altura em que muitos estão a decidir mudar o seu estilo de vida e de trabalho, o que é possível aprender com esta comunidade?
Controle sobre trabalho/vida pessoal 
 
44% dos participantes afirmou que poder definir as suas horas de trabalho é uma das principais razões que os levou a tornarem-se freelancers. A flexibilidade também foi referida, com 41% a indicar ser esse o motivo pelo qual trabalham de forma independente.
 
Ambos elementos podem justificar o porquê de os freelancers não terem sido tão afetados como os trabalhadores por conta de outrem pela nova realidade laboral imposta pela COVID-19. Como mencionado, 51% já trabalhava a partir de casa ou em espaços co-work (23%).
 
De igual forma, os freelancers não se encontram presos a um determinado local de trabalho. Nos últimos anos, Portugal tem vindo a tornar-se cada vez mais atrativo para os trabalhadores independentes e nómadas digitais. Ainda que muitos optem por viver nas grandes cidades, o interesse por zonas interiores e rurais para trabalhar remotamente, como a Ericeira, tem aumentado segundo o  Nomadlist.com. Esta preferência poderá estar relacionada com a proximidade familiar, fator que 39% dos inquiridos admitiram ser crucial.
 
Gestão do tempo é um fator vital para prosperar 
 
Mas, nem tudo é rosas no mundo freelancing. O tempo torna-se no maior bem, uma vez que representa a quantidade de trabalho exequível, logo o dinheiro ganho, mas também o quanto se decide repartir entre o mesmo, a vida social, família, lazer e descanso. Todos têm as mesmas 24 horas por dia.
 
Ser o próprio patrão requer tempo… e dinheiro
 
Enquanto trabalhador independente, as responsabilidades atribuídas aos colaboradores recaem sobre a mesma pessoa, e na grande maioria não estão relacionados com as suas capacidades técnicas ou interesses pessoais. A contabilidade e gestão fiscal são dois elementos essenciais para avançar com o negócio e o governo não tolera atrasos. Se existir a hipótese de contratar alguém, é necessário ter em conta que esse custo irá reduzir o salário no final do mês.
 
Encontrar oportunidades freelancing
 
Enveredar pelo freelance não significa necessariamente deixar o emprego fixo. Pelo contrário, começar por combinar ambas atividades até alcançar um número estável de clientes e contactos capaz de dar suporte financeiro enquanto trabalhador independente é, em muitos casos, a chave.
 
Os freelancers portugueses partilharam que a forma mais comum de venda dos seus serviços é através do marketing direto e e-mail (54%), seguido pelos marketplaces/websites (52%). Este último poderá ser um ponto de partida interessante, visto que metade dos participantes reconheceu que é um investimento que compensa. A Freelancer (45%), Upwork (39%) e Fiverr (36%) perfazem o top 3 das plataformas freelancing mais utilizadas em Portugal.
 
Estar aberto a diferentes fontes de rendimento – e a possibilidade de ganhar mais do que anteriormente
 
Ter a oportunidade de ganhar mais também foi destacada por 44% da comunidade local. Se por um lado, um contrato aufere mais certezas mas com uma menor evolução salarial, por outro ser trabalhador independente permite abre a possibilidade de ter um maior rendimento anual – saber gerir os altos e baixos (por vezes 100% negativo) é a chave para sobreviver neste modo de trabalho. Dinheiro à parte, a possibilidade de ter várias fontes de rendimento em vez de apenas uma poderá fazer toda a diferença, especialmente para aqueles que já perderam emprego anteriormente.
 
Segundo o estudo da Fiverr, os freelancers portugueses ganham o dobro se se considerar o salário mínimo nacional de 635€. Os setores do Retalho, Catering & Lazer (78%) em conjunto com o das Viagens & Transportes foram considerados os mais vantajosos para trabalhar.
 
Decisão sobre os clientes e projetos
 
Outra vantagem de ser freelancer é poder escolher os clientes. Quase metade dos participantes mencionaram que este foi um fator decisivo, principalmente para as freelancers portuguesas que o apontaram como sendo a principal razão de terem optado por esta via de trabalho. Para além do mais, ter a capacidade de escolher com quem se trabalha também ajuda a prevenir ambientes tóxicos, algo que não seria possível com um contrato.
 
De igual modo, 50% da comunidade portuguesa revelou preferir ser freelancer por ter a hipótese de utilizar as capacidades que entender. A geração Z lidera a tabela, com 75% a atestar o facto de que dão maior importância ao tipo de trabalho, do que ao salário.
 
Em relação aos serviços mais comuns, os profissionais de design surgem em primeiro lugar com 38%, seguindo-se os de Web Development (35%), Marketing (33%) e suporte técnico (27%). O Retalho, Catering & Lazer é o setor com maior demanda pelo primeiro serviço (67%), ao passo que os últimos dois são mais procurados por empresas ligadas a Viagens & Transportes.



Deixe um comentário

O seu email não será publicado