Entrevista da semana: Paulo Barreira – TP-Link Portugal

O executivo da TP-Link Portugal, explica à Computerworld a estratégia para o segmento empresarial e aborda a nova oferta SDN cloud da família Omada.

Computerworld (CW): O novo portfólio Omada tem como principal argumento tecnológico a gestão centralizada na nuvem. O que quer isto dizer na prática para os gestores de redes? Quais os principais benefícios?

Paulo Barreira: Como Fabricante mundial de redes é importante que a TP-Link continue a disponibilizar produtos e serviços de qualidade, fiabilidade e cada ver mais “User friendly”. As novas soluções que agora apresentamos permitem 100% de mobilidade e autonomia podendo ser gerida através de qualquer terminal que tenha um ponto de acesso à Internet, evitando assim custos de manutenção e deslocações desnecessárias.

É por isso que recebemos com imensa satisfação o desenvolvimento do line-up OMADA por parte da companhia que nos vai permitir agora através desta nova plataforma Cloud estar na linha da frente na área profissional e consolidar o Brand awarness da TP-Link em Portugal.

Destacamos o controlador OMADA OC300 que permite 500 APs e 1500 Clientes, os sete Switches onde destacamos os SDN SG2210HP / SX2412 (2.5GE e 10GE Ports respetivamente), dois Routers Gateways, R-605 / ER7206 (Gestão centralizada, RJ45 Gigabit, Load Balance, VPN, IoT Protection, Análise de trafico, deteção e isolamento de equipamentos de risco, os três EAPs 230 e 235 Wall (2 e 4 Portas Gigabit com montagem de parede) e o EAP 620HD Outdoor (11Ax, porta Gigabit, Load Balance) todos com acesso à Cloud.

CW: Os equipamentos SDN mais antigos desta linha poderão ser também geridos na cloud? Existe retrocompatibilidade?

Paulo Barreira: Todos os equipamentos OMADA da nossa gama permanente tem retrocompatibilidade e depois de migrados serão todos geridos pelo novo software na cloud.

CW: Já há casos em estudo com a nova linha Omada? Quem e em que condições?

Paulo Barreira: Os case study existentes com OMADA vão desde Escolas, Hotelaria a Estádios de Futebol em casos concretos como a Escola Secundária de carcavelos, Hotel Travel Park, Estalagem Muchaxo Hotel em Cascais ou no Estádio do Boavista foram já colocados produtos OMADA como controladores, Switches, Access Points. 

Tendo em conta que a TP-LINK está a lançar a nova linha OMADA SDN (solução com plataforma cloud) em Setembro deste ano, e as novas gamas de produtos estão a chegar agora ao mercado, vamos dar a conhecer novos case study em breve.

CW: O canal vai ter acesso a estes equipamentos ou vai ser venda direta? Há algum incentivo para os distribuidores?

Paulo Barreira: O processo tem passado pela comunicação junto da imprensa, Social/digital media, Distribuição e Parceiros. A comercialização destes equipamentos insere-se dentro do Canal SMB e destina-se a todos os clientes e parceiros que trabalhem esta área de negócios empresarial. Não existindo restrições, os produtos Omada destinam-se a clientes empresariais estando por isso fora do canal de consumo. A partir de 01 de Outubro e até final deste ano irão surgir um pacote de incentivos específicos para a Distribuição e Parceiros SMB.

CW: Qual o futuro das redes empresariais no vosso entender? Que tecnologias e funcionalidades vão ser essenciais?

Paulo Barreira: Mobilidade, Cloud alojamento, Inteligência Artificial (IA), segurança e garantia de fiabilidade (24/7) são os Bullets dentro do Trend natural até 2030.

As Key features já obedecem em si ao desenvolvimento da rede e sua saturação, rapidez, capacidade, controlo e acessos simplificados. Oferecem Wifi6 e 5G. No futuro, os satélites gravitacionais podem mudar ou alterar toda esta visão dependendo do investimento mais ou menos rápido que se pretenda fazer.

CW: Quanto representa a área profissional na faturação da TP-Link Portugal? Qual a meta até ao final do ano e para o ano de 2021?

Paulo Barreira: A partir de hoje a área profissional da TP-Link passa a ser CORE para a empresa, melhorámos o nosso cardex, redefinimos a nomenclatura dos part numbers SMB de forma a serem mais intuitivos, melhorámos o Consultor de Redes no site TP-Link de forma a proporcionar respostas rápidas e automáticas , melhorámos o SW de projeto de forma a dar um produto “Chave na mão” ao Parceiro, aumentámos o numero de formações “webinars” SMB que cada vez são mais representativas como veiculo de comunicação direta e aumentámos a equipe de engenharia e Sales de forma a proporcionar um contato constante e mais próximo da realidade do cliente. Portanto o investimento é forte, o resultado terá que ser igual ao do Consumo, ser líderes em 2025 , sendo os principais Sectores Alvo a Hotelaria, Educação, Hospitalar, Centros Comerciais, Centros Empresariais.

Em 2019 a área SMB da empresa representou 27% do total de unidades vendidas em redes na TP-Link PT. Este ano acumulado a Agosto estamos a crescer 51% mas abaixo da expetativa que tínhamos inicialmente para 2020, e devido basicamente ao confinamento provocado pela pandemia que fez com que a partir de Março os projetos passassem só agora a ser concretizados. Sendo 2020 um no atípico e esperando que 2021 volte a ser o novo normal, estamos nos 40% do peso de negócio SMB no total do negócio de redes da empresa.

CW: De que forma (quantificada) foi o negócio profissional da TP-Link impactado em Portugal pela pandemia Covid 19?

Paulo Barreira: Entre Março e Maio, existiu um impacto negativo de cerca de 50% no negócio SMB em PT, mas estamos neste momento a recuperar o desempenho no mercado.

CW: Da vossa sensibilidade, quais as principais dificuldades técnicas no que respeita a gestão de rede que as empresas enfrentam nesta altura de pandemia?

Paulo Barreira: De uma forma direta ou indireta a Pandemia acabou por nos dar a conhecer algumas dificuldades que parecendo fáceis de contornar, não estávamos na maior parte dos casos preparados para as ultrapassar.

Que bom seria que pudesse existir uma gestão de rede que nos pudesse proporcionar uma presença em qualquer parte do mundo com qualquer equipamento e ponto de acesso à Internet, que pudesse gerir 1 500 equipamentos e até 120 000 clientes de uma forma fácil de controlar, que o SW tivesse Inteligência Artificial (AI) e fizesse análises, avisos e ajustes automáticos à rede. Que proporcionasse uma gestão de fiabilidade garantida de 99,99% SLA e 24/7,permitindo assim uma maior agilidade do meu negócio, que tivesse Zero Touch Provisioning não obrigando a deslocações físicas ao local seja por questões de saúde publica ou conseguindo assim também uma melhoria da rentabilidade do negócio evitando deslocações desnecessárias e reduzindo assim os custos da implementação, operação e manutenção… bom, a TP-Link torna todos estes cenários possíveis com a SDN Omada, uma  solução integrada na Cloud com os Gateways, Switches, Access Points e Controladores da marca.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado