O Turismo faz-se “offline”, mas a tecnologia melhora a experiência

Nuno Pimenta, da Google Portugal, Wendy van Leeuwen, da Secret City Trails, Gonçalo Marques Oliveira, do Grupo Pestana Hotel e Tiago Quaresma, de A Brasileira e A Fábrica da Sardinha partilharam opiniões sobre o momento que o setor do Turismo atravessa, no painel Tourism and Travel, do conjunto de sessões INDUSTRIES GOING DIGITAL..

Os intervenientes concordaram que o setor do Turismo tem sido profundamente impactado pelos efeitos da pandemia. “É um setor principalmente ‘físico’ em que a experiência presencial é absolutamente fundamental”, referiu Nuno Pimenta. “Ainda não conseguimos fazer ecommerce do travel, porque não conseguimos que as pessoas viagem sem estarem lá presencialmente”, acrescentou.

Para o responsável pela área de “Travel, Retail & Start Ups” em Portugal da Google, se há caraterística que esta crise veio enaltecer é a capacidade de transformação e a capacidade de responder muito rápido que muitas organizações demonstraram. “Quem se conseguir reinventar melhor e capturar as oportunidades que existem vai conseguir passar melhor esta fase que estamos a viver”, considera.

A intervenção de Gonçalo Marques Oliveira tinha ido no mesmo sentido. “As pessoas querem mesmo fazer a viagem, não querem imaginá-la”, afirmou, mas apesar das contingências, o CIO e membro do Comité Executivo do Grupo Pestana Hotel também preferiu ressalvar a capacidade de um setor que sempre soube tirar partido das ferramentas tecnológicas.

“O Turismo conseguiu fazer duas coisas distintas com o recurso às tecnologias: minorar pontos de stress e alargar o mercado. Há um conjunto de pessoas que começaram a usar tecnologias de ecommerce porque queriam viajar”, apontou Gonçalo Marques Oliveira.

Ficou a garantia de que o Grupo Pestana Hotel está e vai continuar a investir em tecnologia, “talvez não tanto como gostaríamos, mas achamos que isso nos vai deixar mais bem preparados para a retoma”.

“Crença” na tecnologia é coisa que não falta a Wendy van Leeuwen. “Going digital é o novo normal”, concordou a co-fundadora da Secret City Trails, uma aplicação de guia turístico que atualmente abrange perto de 50 cidades.

“Temos a oportunidade de pegar na tecnologia e criar alternativas e soluções mais originais, até mais gamificadas. A tecnologia é incrível. Porque não usá-la mais e aprender com outras indústrias e aplicar isso ao Turismo?”, desafiou.

Para Tiago Quaresma o produto do setor do Turismo será sempre offline “e ainda bem”, considera. “O digital e o online são extraordinários meios e nunca um fim e, se partirmos desse pressuposto, estaremos sempre bem alinhados com as vantagens que o digital pode trazer aos nossos negócios”.

O administrador de A Brasileira e de A Fábrica da Sardinha defende que a tecnologia “pode e deve ser considerada em momentos que acelerem a experiência”.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado