Kaspersky: Portugal é o segundo país com a maior percentagem de utilizadores atacados por phishing

O relatório da Kaspersky revela ainda que foram detetados vários novos truques de phishing, desde e-mails de despedimento enviados em nome de departamentos de Recursos Humanos a ataques disfarçados de notificações de entrega.

A mais recente investigação da Kaspersky sobre spam e phishing, correspondente ao segundo trimestre de 2020, indica que Portugal é o segundo país com a maior percentagem de utilizadores atacados por phishers (13,51% do total de utilizadores). O relatório revela ainda que foram detetados vários novos truques de phishing, desde e-mails de despedimento enviados em nome de departamentos de Recursos Humanos a ataques disfarçados de notificações de entrega.

O phishing é um dos ataques de engenharia social mais antigos e flexíveis do cibercrime, utilizado de muitas formas e para diferentes fins, com o objetivo de atrair utilizadores menos precavidos para um determinado website, levando-os a fornecer informações pessoais a hackers mal intencionados. Estas informações incluem credenciais financeiras, tais como palavras-passe de contas bancárias e detalhes de cartões de pagamento, bem como dados de login de contas nas redes sociais. Nas mãos erradas, estas informações abre portas a várias operações maliciosas: o roubo de dinheiro e o comprometimento de redes corporativas são dois exemplos. É por tudo isto que o phishing é considerado um método de infeção inicial muito popular.

Por outro lado, o phishing é um ataque eficaz porque é realizado em grande escala. Quando os cibercriminosos enviam e-mails em massa em nome de instituições legítimas ou promovem páginas falsas, aumentam as hipóteses de conseguir roubar credenciais a utilizadores inocentes. Os primeiros seis meses de 2020 mostraram, contudo, novas nuances neste tipo de ameaça.

Ataques direcionados com foco nas pequenas empresas

Como a análise de Kaspersky vem mostrar, no segundo trimestre de 2020, cada vez mais phishers executaram ataques direcionados, centrando-se principalmente em pequenas empresas. Para chamar a atenção, os criminosos forjaram e-mails e websites de organizações cujos produtos ou serviços pudessem ser adquiridos pelas potenciais vítimas. Em muitos casos, os atacantes nem sequer tentaram fazer com que o website parecesse autêntico.

Estes ataques de phishing direcionados podem ter consequências graves, pois se o hacker tiver acesso à caixa de e-mail de um colaborador, pode utilizá-la para pôr em marcha mais ataques contra a empresa que o emprega, elementos das suas equipas ou até mesmo clientes e fornecedores.

Novos truques para velhos fins

A pandemia COVID-19 serviu de uma série de “desculpas” para os cibercriminosos solicitarem informações pessoais aos utilizadores, através de mensagens disfarçadas:

  • Serviços de entrega. No auge da pandemia, as organizações responsáveis pela entrega de cartas e encomendas tiveram ainda mais urgência em notificar os destinatários de possíveis atrasos. Verificou-se que os hackers começaram a tirar partido deste tipo de e-mails, forjando-os e pedindo às vítimas que abrissem um ficheiro anexo para acederem ao endereço de um armazém onde fosse possível recolherem a sua encomenda que não havia sido entregue.
  • Serviços postais. Outro procedimento relativamente novo, utilizado pelos criminosos, foi planear um ataque de phishing através de uma mensagem que continha uma pequena imagem de uma fatura de um serviço postal. Com isto, esperavam que o utilizador – intrigado com a situação – descarregasse o anexo (que, embora tivesse “JPG” no nome, se tratava na verdade de um ficheiro executável) e decidisse abri-lo. Neste tipo de e-mails, os especialistas da Kaspersky encontraram o spyware conhecido como “Noon”.
  • Serviços financeiros. Os ataques de phishing bancário detetados entre abril e junho de 2020 serviram-se frequentemente de e-mails que ofereciam vários benefícios e bónus aos clientes das instituições financeiras, numa alegada resposta aos efeitos da pandemia. Os e-mails recebidos pelos utilizadores continham um ficheiro com instruções ou links para obter mais detalhes. Como resultado, dependendo do tipo de ataque, os infratores puderam aceder aos computadores dos utilizadores, informações pessoais ou dados de autenticação para vários serviços.
  • Serviços de Recursos Humanos. O emagrecimento da economia devido à pandemia causou em vários países uma onda de desemprego, sendo que os criminosos não perderam oportunidade de explorar este contexto. Os analistas da Kaspersky depararam-se com vários mailings que anunciavam, por exemplo, algumas alterações relativamente ao procedimento de licença médica ou informavam os utilizadores do seu despedimento. Em alguns anexos, foi encontrado o ficheiro Trojan-Downloader.MSOffice.SLoad.gen, que é frequentemente utilizado para descarregar e instalar encryptors.

Ao analisar os resultados do primeiro trimestre, assumimos que a COVID-19 seria o tema principal para os spammers e phishers no segundo período do ano. E isso verificou-se. Embora o tradicional envio de spam sem mencionar a pandemia tenha persistido, notámos que os phishers adaptaram os seus antigos esquemas para os tornar mais relevantes no atual contexto, criando novos truques“, comenta Tatyana Sidorina, perita em segurança da Kaspersky




Deixe um comentário

O seu email não será publicado