Fechar o fosso digital: como a inclusão digital fomenta o desenvolvimento sustentável

Os avanços digitais geraram enorme riqueza nos últimos anos, mas essa riqueza tem-se concentrado num pequeno número de pessoas, empresas e países.

Frank Shen, Vice President of PACD, Western Europe, Huawei Technologies.

Os Estados Unidos da América e a China produzem atualmente a grande maioria da riqueza a nível da economia digital, enquanto a Europa se debate para acompanhá-los. Ao abrigo das políticas e regulamentos atuais, é provável que esta trajetória continue, contribuindo ainda mais para o aumento das desigualdades. Temos agora de trabalhar em conjunto para fechar o fosso digital que representa mais de metade do mundo com acesso limitado ou inexistente à Internet, pois a inclusividade é essencial para construir uma economia digital que permita servir-nos a todos.

A economia digital irá requerer uma série de competências novas e diferentes e uma nova era de participação digital. Acima de tudo, precisamos de um grande investimento ao nível da educação, enraizado não só na aprendizagem, mas também na aprendizagem de como aprender, e na viabilização do acesso a oportunidades de aprendizagem digital ao longo de toda a vida. A conectividade economicamente acessível continua a ser um grande desafio em muitos países do mundo, especialmente nas suas áreas rurais e remotas. De modo a acelerar o acesso a serviços de TIC adequados, devem ser envidados esforços para aumentar o acesso a serviços de Internet rápidos, económicos e fiáveis. As empresas digitais dependem de pessoal criativo e qualificado, como desenvolvedores de software, designers e cientistas de dados, que tenha como resultado o surgimento de uma nova classe de profissionais. No entanto, um problema grave para as empresas digitais locais é a capacidade de recrutar e reter talentos localmente disponíveis.

Em que posição se encontra a Huawei no âmbito destas questões? Primeiro, a tecnologia funciona como a base. A Huawei pretende construir um mundo totalmente conectado e inteligente, utilizando tecnologias inovadoras em termos de conectividade, informática, IA, nuvem e dispositivos móveis. Segundo, acreditamos que as candidaturas são a chave para desbloquear a inclusão. A Huawei irá capacitar os parceiros de ecossistemas e ajudar os desenvolvedores a criar aplicações personalizadas para diferentes regiões, comunidades, indústrias e grupos. Terceiro, as competências oferecem garantias. A Huawei irá trabalhar com organizações, como governos locais, universidades e comunidades, para melhorar as competências digitais e desenvolver talentos digitais para o futuro.

Ao trabalhar com parceiros globais, como agências das Nações Unidas, ONGs, institutos de investigação, governos, transportadoras e clientes empresariais, promoveremos a inclusão digital, focando-nos em quatro domínios de elevado impacto: impulsionar a equidade e a qualidade da educação, proteger o ambiente, permitir a inclusão e a equidade na saúde e impulsionar o desenvolvimento equilibrado. Atualmente, só demos um pequeno passo em frente. Esperamos que mais pessoas e organizações participem na iniciativa de inclusão digital TECH4ALL para promover a concretização dos ODS das Nações Unidas.

Nestas iniciativas das principais partes interessadas, nas alianças ao nível da indústria e com base noutras plataformas regionais e globais de sustentabilidade, incentivamos à inovação e colaboração no alcance dos objetivos de sustentabilidade. Para dar resposta ao cyberbullying e à proteção da privacidade, a Huawei trabalhou com os direitos das crianças e com organizações de formação em cibersegurança na Europa para implementar o projeto SmartBus. SmartBus é uma sala de aula digital móvel equipada com Wi-Fi que proporciona um ambiente de aprendizagem envolvente, interativo e divertido a crianças entre os 11 e os 15 anos de idade. Atualmente, está ativo na Bélgica, Espanha, Portugal e Países Baixos. Até à data, 126 escolas em 79 cidades e mais de 20 000 estudantes, 5000 encarregados de educação, bem como professores participaram na aprendizagem interativa com SmartBus.

Encontrar profissionais de TIC qualificados continua a ser um desafio fundamental, mesmo para os principais intervenientes da indústria. A Huawei lançou a ICT Academy, fornecendo formação em tecnologias TIC a estudantes universitários de todo o mundo, e encoraja-os a participar nos nossos programas de certificação. Tendo formado mais de 45 000 estudantes só em 2019, a academia pretende desenvolver talentos de TIC locais para satisfazer as futuras exigências e construir um ecossistema de talentos sustentável. Atualmente, estabelecemos parcerias com 938 universidades em 72 países e regiões para fornecer serviços, como o desenvolvimento de manuais, formação de professores, construção laboratorial e certificação de estudantes.

Há 20 anos, a Huawei estabeleceu a sua primeira presença na Europa. Este foi o primeiro passo de muitos que assistiram ao emergir de uma colaboração forte e duradoura. Com base na nossa história, valores e interesses comuns, podemos ir mais longe com esta parceria com o fim de desenvolvermos uma liderança digital soberana para a Europa e um futuro melhor para todos.

Com base na sustentabilidade dos negócios, faremos investimentos a longo prazo e sem fins lucrativos que garantam a sustentabilidade da inclusão digital. Empenhados em dar abertura à colaboração, continuaremos a trabalhar com os nossos parceiros globais na construção dos ecossistemas da indústria que prosperam no sucesso partilhado. Juntos podemos promover o desenvolvimento inclusivo e sustentável. Como parte destes esforços, acreditamos que equipar as pessoas com as competências de que necessitam é a chave para a sustentabilidade e para impulsionar a economia digital, pelo que estamos a trabalhar com os nossos parceiros para desenvolver um ecossistema de talentos digitais mais robusto e fechar o fosso digital.

Por Frank Shen, Vice President of PACD, Western Europe, Huawei Technologies.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado