Covid-19 provoca 960 despedimentos no Linkedin

Um corte que representa o equivale a 6% da força de trabalho da companhia e terá o foco nas áreas de vendas e recursos humanos.

A rede social LinkedIn anunciou esta semana o despedimento de 960 colaboradores da companhia pelo impacto gerado pelo novo coronovírus (Covid-19).  Ryan Roslansky, que assumiu o cargo de CEO no início de junho, informou que a demissão será focada em áreas como recursos humanos e vendas, setores que apresentaram queda de procura por causa da situação atual. 

“É doloroso passar por uma reestruturação, mas uma empresa com uma visão tão ousada quanto a nossa terá que tomar decisões difíceis. Estou confiante de que emergiremos mais resilientes e mais fortes.”, afirmou o CEO do Linkedin.

No anúncio, Roslansky explicou que estas são as únicas demissões planeadas pela empresa e que os funcionários afetados serão devidamente informados ainda esta semana.

Para auxiliar as pessoas que serão despedidas, o executivo anunciou um pacote de assistências que inclui a doação dos telefones, laptops e equipamentos da empresa que estavam em posse do colaborador, de forma a ajudá-los a obter um novo emprego. 

Os despedimentos serão realizadas em escala global e a empresa informou que nos EUA (onde as regras de trabalho não incluem benefícios como em Portugal, por exemplo), os ex- colaboradores vão receber dois meses de ordenado e um ano de seguro de saúde. 




Deixe um comentário

O seu email não será publicado