Quidgest desenvolve software de gestão de emergência hiper ágil

O VIRVI, desenvolvido pela Quidgest pretende dar resposta aos desafios globais epidemiológicos como a COVID-19, o VIRVI é um software de gestão de emergência hiper ágil. Apresenta-se como uma ferramenta que apoia a monitorização e o controlo de epidemias e de outros fenómenos em tempo real, dando um rigoroso suporte durante o período de emergência.

Este sistema de informação de utilização intuitiva, orientado para este desafio global, funciona como uma base para uma gestão crítica e comunicação perante fenómenos epidémicos. Totalmente web, o VIRVI garante uma escalabilidade muito superior à de uma linha de atendimento telefónico e é acessível a todos os profissionais, assegurando diferentes níveis de acesso à informação e respeitando níveis adequados de privacidade.

Uma vez que a solução pretende apoiar a comunicação e monitorização de epidemias entre os profissionais de saúde e a população, a população pode ser, ela própria, o primeiro ator no combate à doença, desta forma, são os próprios paciente ou cuidadores que fazem o registo e monotorização dos sintomas. Depois de registada, no sistema, a informação é priorizada consoante a sua gravidade e não em função da ordem de chegada e chega até ao profissional de saúde ou entidade competente. 

O VIRVI destina-se especialmente a entidades que tenham a seu cargo um elevado número de cidadãos, pois permite agilizar estes casos como um todo, minimizando o risco de propagação exponencial.

Mais do que uma ferramenta de monitorização, o VIRVI é um portfolio de soluções que se baseiam em dados centralizados, desta forma, permite que em vez de ter varias soluções desconexas há uma interoperabilidade entre dados e módulos/soluções.

A Quidgest aponta anda que está na fase final de negociações com grandes entidades nacionais, não revelando quais, que querem aliviar a pressão no terreno, através da utilização deste sistema, e têm em outros países, diversos parceiros, que estão em contacto com os governos para que estes possam implementar esta solução.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado