Um terço dos ataques em 2019 teve como alvo utilizadores corporativos

Em 2019, 773.943 utilizadores das soluções da Kaspersky foram atacados por trojans bancários. Desses utilizadores, mais de um terço (35,1%) pertencia ao setor empresarial. Esta é uma das principais conclusões da análise da Kaspersky sobre o panorama de ciberameaças financeiras.

Os trojans bancários, também conhecidos como “bankers”, são uma das ferramentas mais difundidas pelos hackers, uma vez que o seu objetivo é roubar dinheiro. Geralmente, este tipo de trojans pesquisam por credenciais dos utilizadores para pagamentos eletrónicos e sistemas bancários online, retendo as palavras-passe de utilização única e enviando essa informação aos hackers.

Um terço destes ataques em 2019 teve como alvo utilizadores corporativos, verificando-se assim um aumento em relação ao intervalo de valores (24-25%) que tinha sido constante nos três anos anteriores. Segundo os especialistas, a lógica é simples: os ataques ao setor B2B não só dão acesso às contas bancárias ou aos sistemas de pagamento, como também podem comprometer os próprios recursos financeiros de uma empresa, através da exposição dos colaboradores.

Os dados recolhidos pela Kaspersky mostram que a Rússia se manteve como o país mais atingido por este tipo de ameaça em 2019, sendo responsável por mais de 30% dos utilizadores atacados em todo o mundo por malware financeiro. Segue-se a Alemanha (com uma quota superior a 7%) e a China (mais de 3%).

Embora o número global de ataques com trojans bancários tenha diminuído em 2019, o crescente interesse pelas credenciais dos utilizadores das empresas indica que as ciberameaças financeiras continuam a ser uma realidade. Por isso, pedimos a todos que se mantenham cautelosos na realização de operações financeiras online a partir dos seus equipamentos. Como estamos num pico de teletrabalho devido à pandemia de coronavírus, é especialmente importante não subestimar o desejo dos hackers por roubarem dinheiro”, realça Oleg Kupreev, especialista de segurança na Kaspersky.

[A Computerworld está em regime de teletrabalho com a ajuda da tp-link]




Deixe um comentário

O seu email não será publicado