Compras online aumentam em vários setores

Os setores que verificaram um maior aumento neste período foram Entretenimento e cultura, que registou um aumento de 64%, Comércio Alimentar e Retalho com um aumento de 45%, e Restauração e Food Delivery e Take Away com um aumento de 52%.

Na da que não fosse previsível no entanto a frieza dos números é sempre importante para quem analisa o mercado com interesse. Verificou-se um aumento significativo das compras online, na última semana, aproximando-se dos valores anteriores ao período antes da confirmação do primeiro caso de COVID-19, a ganhar um peso crescente no total das compras efetuadas em Portugal. Nas compras online, os setores que verificaram um maior aumento neste período foram Entretenimento e cultura, que registou um aumento de 64%, Comércio Alimentar & Retalho  com um aumento de 45%, e Restauração e Food Delivery e Take Away com um aumento de 52%.

[A Computerworld está em regime de teletrabalho com a ajuda da tp-link]

Também o MB WAY tem vindo a conquistar cada vez mais a preferência dos portugueses, tanto nas compras online como em loja, sendo de assinalar que, na semana de 30 de março a 5 de abril, o número de pagamentos com MB WAY no e-commerce superou a média registada antes da pandemia. Já comparativamente à semana anterior, de 23 a 29 de março, verificou-se um aumento de 23 pontos.

De forma resumida, na semana de 30 de março a 5 de abril verificou-se um incremento na maioria dos indicadores apresentados, a renovação do Estado de Emergência não originou significativas alterações nos padrões de consumo em Portugal, com um aumento de 17 pontos base nas compras de e-commerce e de 6 pontos nas transações em lojas físicas, face à semana de 23 a 29 de março, com os portugueses a privilegiarem as compras online em vários setores.

Embora se tenha verificado uma ligeira recuperação das transações em Portugal, salienta-se que as compras online ainda se encontram 13 pontos abaixo da média registada antes da confirmação do primeiro caso de COVID-19. Na semana de 30 de março a 5 de abril, as transações presenciais em loja, ainda registam uma quebra de 50 pontos base no número de compras totais em comparação com o registo médio anterior ao início da propagação do novo Coronavírus em Portugal.

Adicionalmente, verificamos um ligeiro incremento das transações comerciais em loja vs a semana anterior, acompanhado de aumento no valor médio por compra, para os atuais 41,1 euros na semana compreendida entre 30 de março a 5 de abril, um aumento de 6% vs a média da semana anterior e de +18% vs a média verificada antes da confirmação de casos em Portugal.

Tal como nas semana anteriores, verifica-se uma estabilidade do peso dos super e hipermercados, farmácias e parafarmácias ao qual foi acrescentado esta semana a pequena distribuição alimentar, bebidas e tabaco, rubricas que se mantêm, com ligeiras oscilações nas últimas três semanas, representando mais de duas em cada três transações realizadas em lojas físicas pelos Portugueses.

Olhando para as compras realizadas online distribuídas por setor, verifica-se uma evolução do peso das compras em setores como Entretenimento, Cultura e Subscrições, que registou um aumento de 64% face à semana antes da pandemia, comércio alimentar e retalho  com um acréscimo de 45%, restauração, food delivery e take away com um aumento de 52%, entre outros como farmácias e parafarmácias, perfumaria e cosmética, jogos e brinquedos e decoração e artigos para o Lar. Estes setores representaram uma em cada duas compras dos portugueses online neste período, sendo, no entanto, de realçar que as compras online denotam uma maior dispersão por diferentes setores de atividade face às compras físicas.

O valor médio das compras online aumentou ligeiramente na semana de 30 de março a 5 de abril, para 38,9 euros, face aos 37,5 euros (+4%) de média verificada antes da confirmação de casos em Portugal.

A quebra de consumo de portugueses no estrangeiro e de estrangeiros em Portugal estabilizou vs a semana anterior, em níveis de -65% e -85% respetivamente vs a média semanal antes do inicio da crise COVID-19.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado