Cisco e Microsoft unem software pela boa gestão do IoT

A Cisco fundirá o Intelligent Edge, lançado recentemente, com o Hub IoT da Microsoft, para simplificar a transferência de dados de dispositivos de edge para aplicações na cloud do Azure.

Especificamente, a Cisco vai mesclar o seu recém-anunciado software Intelligent Edge com o Azure IoT Hub da Microsoft.  O Cisco Edge Intelligence é executado nos pacotes de IoT da Cisco e reúne dados de dispositivos conectados para criar fluxos lógicos de edge em cloud privada, pública ou de terceiros – neste caso, o Microsoft Azure IoT Hub. O Hub IoT é um serviço de cloud gerido que atua como um policial de tráfego de comunicações entre dispositivos e aplicações IoT. 

“Usando a inteligência baseada em software pré-carregado nos dispositivos de rede Cisco IoT, os pipelines de dados de telemetria de protocolos padrão do setor, como OPC-Unified Architecture (OPC-UA) e Modbus, podem ser facilmente estabelecidos usando uma interface amigável diretamente no Hub IoT do Azure” escreveu Tony Shakib, líder de aceleração de negócios da Internet das coisas na Microsoft Azure.

OS serviços como o Microsoft Azure Stream Analytics, o Microsoft Azure Machine Learning e os serviços do Microsoft Azure Notification Hub podem ser usados ​​para criar aplicações de IoT para as empresas, afirmou Shakib. 

“O processamento de telemetria adicional também é suportado pela Cisco através de scripts locais desenvolvidos no Microsoft Visual Studio, onde os dados filtrados também podem ser carregados diretamente no Hub IoT do Azure”, afirmou Shakib. Esta colaboração fornece um pacote totalmente integrado que dá acesso a ferramentas de design, conectividade global, análise avançada e serviços cognitivos para analisar dados da IoT, afirmou.

A Cisco e a Microsoft querem tornar mais simples, rápido e seguro o envio de dados de ponta da IoT para aplicações de classe empresarial e poderão integrar os seus dispositivos de IoT através do Cisco Edge Intelligence ao Hub IoT do Azure com um clique, escreveu a Cisco. Vikas Butaney, vice-presidente de gestão de produtos do Grupo de Negócios Internet das Coisas (IoT) da empresa em um blog sobre o negócio. “Os clientes poderão direcionar as suas aplicações de inteligência artificial, análise, machine learning e inteligência de negócios para oferecer suporte a uma melhor transformação digital”.

A inserção segura de dados gerados pela IoT nas empresas para acesso e controle de aplicações é fundamental para os clientes.

“O edge é o primeiro ‘ponto de contato’ com os dados da máquina, e a segurança, segmentação, filtragem e resumo adequados são necessários para maximizar o valor e minimizar os custos e a latência”, de acordo com um relatório IoT recente  da 451 Research . “Um pipeline de governação e gestão de dados ágil e seguro que permite decisões em tempo real orientadas por dados pelas partes interessadas em toda a organização é possível com uma combinação de inteligência e análise de ponta”.

A Gartner estima que, até 2025, 75% dos dados das empresas serão gerados no Edge . À medida que os recursos de computação e os dispositivos de rede de IoT se tornam mais poderosos, a capacidade de gerir grandes quantidades de dados próximo ao edge significa que as equipas de infraestrutura e operações são necessárias para gerir cargas de trabalho de dados mais avançadas, acrescentou Shakib. 

O tráfego da Internet das coisas está a crescer rapidamente. De acordo com o recente Relatório da Internet da Cisco, dos 29,3 mil milhões de dispositivos em rede em uso até 2023, quase a metade suportará aplicações de IoT. As comunicações “machien to machien” estão entre as aplicações mais populares, incluindo aplicações como medidores inteligentes, videovigilância, assistência médica, e transporte.

O tráfego da IoT está a crescer mais rápido que o número de conexões, porque o uso de aplicações de vídeo nas conexões M2M aumentou, assim como outros aplicativos de alta largura de banda e baixa latência, como telemedicina e sistemas de navegação para carros inteligentes, informou a Cisco.

“A Cisco e a Microsoft planeiam expandir esta integração para outras áreas onde podemos simplificar ainda mais a solução de IoT para nossos clientes comuns.” Afirmou, Butaney. 




Deixe um comentário

O seu email não será publicado