2019 foi ano de conquistas para a computação quântica e Lisboa foi parte ativa

O ano que agora terminou trouxe avanços da IBM, Google, Fujitsu, Intel e até mesmo usos práticos da tecnologia para otimizar o trânsito em Lisboa.

O ano de 2019 foi marcado por grandes conquistas na computação quântica. A IBM apresentou o que defendeu como o primeiro computador quântico comercial da história. Já a Google anunciou a conquista de uma supremacia quântica, quando uma de suas máquinas conseguiu executar um cálculo impossível de ser realizado com a tecnologia atual.

A computação quântica baseia-se em conceitos e elementos da física quântica. Diferente da computação tradicional que opera com base na física tradicional – onde um bit pode ser 0 ou 1 – na computação quântica, esse valor pode ser 0 e 1 ao mesmo tempo.

Com a computação quântica , os investigadores são capazes de realizar cálculos muito complexos ou longos, que um computador tradicional seria incapaz de resolver. Os bits quânticos, ou qubits como são chamados, são capazes de processar informações de uma forma exponencialmente mais rápida que os bits binários.

Relembramos aqui as conquistas que marcaram o avanço da computação quântica em 2019.

O primeiro computador quântico comercial do mundo

Em janeiro de 2019, durante a CES (Consumer Electronic Show), em Las Vegas, a IBM anunciou o IBM Q System One, o primeiro sistema de computação quântica universal integrado do mundo. Segundo a empresa, a máquina foi projetada para uso comercial e científico.

Fujitsu: agora temos um computador quântico real

A Fujitsu também marcou presença na indústria quântica. Em maio de 2019, anunciou o desenvolvimento de um “computador quântico real”. Segundo o chefe do laboratório de pesquisa da empresa, Hirotaka Hara, a Fujitsu estaria a trabalhar com vários grupos de investigação para desenvolver uma “verdadeira” máquina quântica.

Um computador de 53 qubits

Em setembro, a IBM volta a aparecer na imprensa com um anúncio de que está a preparar o lançamento de um outro computador quântico, dessa vez, um capaz de atingir os 53 qubits.

Google anuncia supremacia quântica

Ainda em setembro, o Google atinge marco histórico no uso de computação quântica, quando realiza em 3 minutos, uma operação que levaria 10 mil anos para ser realizada por uma máquina tradicional.

Lisboa usa computação quântica durante o Web Summit

A maior conferência anual de tecnologia Web Summit, Lisboa usou os benefícios da computação quântica para otimizar o trânsito durante os dias de evento. O projeto encabeçado pela Volkswagen atuou principalmente na otimização das rotas dos autocarros.

Chip “gelado” para otimizar a computação quântica

A Intel apresentou em 2019 um “chip gelado”. A tecnologia promete otimizar o trabalho de computadores quânticos, já que estes aparelhos precisam de condições muito específicas, como frio extremo, para funcionar.

Rússia entra na corrida pela computação quântica

Ainda em dezembro de 2019, a Rússia anunciou um investimento de cerca de 800 milhões de dólares para avançar e desenvolver a tecnologia quântica no país.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado