Google na posse de todas as nossas maleitas

A Google está a utilizar dados para desenvolver um novo software que utilize inteligência artificial para, com base em todos os históricos de informações, sugerir tratamentos adequados tendo em conta o histórico de vida dos pacientes.

Chama-se Nightingale, o projeto da Google, de recolha de dados para analisar históricos clínicos e resultados de exames, um projeto em parceria com a empresa de prestação de serviços de saúde Ascension, presente em 21 estados americanos e dona de uma cadeia de 2,6 mil hospitais.

Esta parceria teve inicio no final do ano passado, tendo-se tornado mais forte junho deste ano, com a Google a garantir o acesso dos dados de exames de laboratório, diagnósticos médicos e registos de hospitalização. Em alguns casos, nestes dados constam o nome completo e data de nascimento das pessoas.

Segundo a imprensa americana, funcionários da Ascension já questionaram a administração empresa a cerca da legalidade técnica e ética desta parceria. Mas tanto os advogados da companhia como as fontes da imprensa americana, afirmam que este este acordo cumpre a lei da “Portabilidade e Responsabilidade de Seguros de Saúde (HIPAA)”, que permite que hospitais partilhem dados com parceiros de negócios sem informar aos pacientes sob a condição de “ajudar a empresa e melhorar a respostas de cuidados com o paciente.” 

A Google está a utilizar dados para desenvolver um novo software que utilize inteligência artificial para, com base em todos os históricos de informações, sugerir tratamentos adequados tendo em conta o histórico de vida dos pacientes.   

Este acordo acordo permite que a Google crie e aperfeiçoe os sistemas internos para a criação de uma plataforma que seja comercializada para outras empresas, o benefício que a Ascension tem com esta parceria é o desenvolvimento de um sistema interno mais eficaz, inteligente e ágil do que usa atualmente atual. 

Dados são o mais importante negócio da saúde

A participação da Google neste projeto chega ao conhecimento público dias após a oficialização da compra da Fitbit, por 2,1mil milhões de dólares  Numa análise feita após esta compra aponta que o negócio irá contribuir para que a saúde passe a ser um dos setores para que a Google mais vá contribui nos próximos tempos. 

Mas a Google não está no sozinha nesta intenção de tronar o negócio da saúde mais tecnológico. A Microsoft, por exemplo, anunciou recentemente uma parceria com a Novartis para utilização de inteligência artificial na criação de medicamentos, e a Amazon está a investir na construção de uma operadora de saúde para os seus funcionários, tendo adquirido para o efeito a startup de assistência média Health Navigator. 

Este é sem dúvida o momento em que os governos e a indústria de IT, têm de se sentar para conversar seriamente sobre uma regulamentação, que dê segurança aos cidadãos. Porque todos queremos que a medicina evolua, e sabemos que a tecnologia pode trazer de variadas formas, um conjunto de soluções para melhor a nossa qualidade de vida. “Mas ninguém que morrer da cura”.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado