Lute contra os hackers modernos com estas 3 ideias

Para a maioria das pessoas, o verdadeiro problema quando se pensa em cibersegurança é que elas não conseguem imaginar as coisas da mesma forma que os profissionais da área de TI e os hackers fazem.

Para a maior parte das pessoas no mundo real, aquele mundo de bens materiais a que todos estamos habituados como casas, carros, o conceito de segurança remete para chaves e cadeados, alarmes e senhas e invasão de propriedade.

Há medida que a tecnologia digital avança sem previsão de abrandar num futuro próximo, os técnicos de segurança alegam que tanto as pessoas quanto as empresas lidam com o problema de forma errada, e recomendam que adotem uma linha de pensamento diferente para proteger todos os seus bens no longo prazo. Instalar a versão mais recente de um bom programa antivírus continua a ser um dos meios mais eficazes de proteger as suas máquinas.

Pense como um hacker

Nem todos os hackers são maus. Alguns hackers “de chapéu branco” estão empregados em empresas legítimas, até mesmo em instituições governamentais, com o dever de encontrar os pontos fracos dos seus sistemas antes que os “agentes do mal” os encontrem. Esses hackers veem as coisas de um ponto de vista diferente, especialmente no reino digital, que é um ambiente mais parecido com a vida real para eles do que apenas um grande aglomerado de códigos.

Os hackers podem ver todas as peças do tabuleiro de uma vez só e perceber quais são os pontos fracos. Em vários casos, a resposta se encontra na Internet das Coisas (IoT) onde todos os tipos de objetos de casa, dos frigoríficos aos monitores de bebé e termostatos que possuem sensores e uma capacidade limitada de transmitir dados para servidores maiores. Esses dispositivos podem parecer inofensivos, mas eles podem ser facilmente hackeados e usados como arma para um ataque potente como a Negação de Serviço Distribuída (DDoS). E na medida em que a tecnologia vai melhorando e trazendo bons serviços, esses serviços também podem ser úteis para melhorar a eficácia dos cibercriminosos. A automação, a escala, a aprendizagem de máquinas e a inteligência artificial todas usam a tecnologia de forma incrível para melhorar os sistemas empresariais e deixá-los mais padronizados. Isso tudo também serve para que cibercriminosos usem também a automação para distribuir um número muito maior de malware e bots do que já alguma vez foi visto.

Proteja os dados, não o perímetro

Em 2017, o meio de comunicação The Economist considerou os dados como o recurso mais valioso do planeta, ultrapassando o petróleo em importância. Nem todos concordam com essa alegação, mas o consenso geral é que proteger os seus recursos preciosos e os seus dados é muito mais importante do que ficar a caçar fantasmas e tentando negar o acesso dos hackers às redes protegidas. A ideia é que ninguém quer ter um intruso na sua loja, mas se não se pode impedir todos eles de entrarem, é precisa garantir que o cofre está seguro e que ninguém sabe qual é o código certo. É lá que estão os seus recursos mais preciosos, os dados devem ser mantidos e guardados em segurança.

A melhor barreira de todas

Os programadores de programas antivírus, especialmente aqueles que dão destaque ao malware, são os profissionais mais capacitados para pensar da forma que um hacker pensa; já que na maioria dos casos, os seus funcionários são ex-hackers que vieram para o lado do bem. Certifique-se que o seu programa antivírus possui a versão mais recente e que ele permaneça atualizado, para que você mantenha os piores dos piores bem longe da sua rede e longe dos seus recursos mais importantes, além de proteger o seu sistema contra o malware.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado