Estratégia Nacional de Cibersegurança deverá ser publicada ainda este ano

A nova versão da Estratégia Nacional de Segurança do Ciberespaço deverá ser publicada em Diário da República durante o segundo semestre do corrente ano.

A resolução de Conselho de Ministros que irá aprovar a Estratégia Nacional de Segurança do Ciberespaço 2018-2023, deverá ser publicada em Diário da República no segundo semestre do corrente ano.

Em declarações ao Computerworld, dias antes da edição deste ano da conferência C-Days, e numa altura em que Pedro Veiga já se tinha demitido da coordenação do Centro e ainda não havia sido anunciado o novo coordenador, Lino Santos, fonte oficial do CNCS explicou que “a revisão da estratégia de segurança do ciberespaço esteve a cargo do Conselho Superior de Segurança do Ciberespaço, no âmbito das suas atribuições, tendo sido resultado de um trabalho representativo e inclusivo dos setores público e privado”.

A proposta assenta em três objectivos estratégicos: “maximizar a resiliência, promover a inovação e garantir recursos”, disse a mesma fonte oficial. Deste modo “pretende-se a concretização da visão definida de tornar Portugal um país seguro e próspero através de uma ação inovadora, inclusiva e resiliente, que preserve os valores fundamentais do Estado de Direito democrático e garanta o regular funcionamento das instituições face à evolução digital da sociedade”.

De acordo com o CNCS, os principais desafios e oportunidades da cibersegurança para o país são especialmente “o incremento das capacidades e da cultura de segurança nas organizações públicas e privadas, em especial nas que operam serviços essenciais e/ou com informação relevante para a sociedade”.

Se os centros de saber nacionais souberem explorar essas oportunidade, em alinhamento com a Estratégia Nacional de Segurança do Ciberespaço, poderão ser criadas novas soluções que poderão contribuir para o incremento da nossa economia digital, sublinha fonte oficial do CNCS.

Para o CNCS, “deve ser dado ainda especial atenção ao reforço da educação e sensibilização nestas áreas, de uma forma transversal a todas as faixas etárias”.

No entanto, “a grande oportunidade poderá advir do sábio aproveitamento das oportunidades que a União Europeia, através da constituição de redes de conhecimento em toda a União centradas nesta temática, nos poderá trazer. Com efeito, se os centros de saber nacionais souberem explorar essas oportunidade, em alinhamento com a Estratégia Nacional de Segurança do Ciberespaço, poderão ser criadas novas soluções que poderão contribuir para o incremento da nossa economia digital”.

C-Days realizou-se em Coimbra

A quarta edição do C-Days, organizada pelo CNCS, debateu o projeto de legislação que estabelece o regime jurídico da segurança da informação no ciberespaço, que está em debate no Parlamento, as lições aprendidas no recente exercício nacional de cibersegurança, realizado em maio e a nova estratégia nacional de segurança do ciberespaço.

Este ano, o evento realizou-se em Coimbra, com o objectivo de “criar um espaço de discussão das questões estratégicas, operacionais e técnicas relacionadas com a cibersegurança, levando estes assuntos para fora da capital do País, tendo em conta o princícipio da descentralização democrática da administração pública e pelo facto da segurança do ciberespaço ser um assunto de natureza transversal a toda a sociedade”.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado