Joint-Venture da Critical e da BMW deve arrancar em Setembro

As duas empresas anunciaram a criação da Critical TechWorks, incluindo um centro de excelência com sede no Porto. Aguardam a aprovação de autoridades da concorrência.

Gonçalo Quadros, administrador-executivo da Critical Software

A Critical Software e a BMW Group, referência no sector automóvel e da mobilidade. anunciaram a intenção de unir esforços e criar uma joint-venture, com sede em Portugal, – a Critical TechWorks (CTW) –, com o objectivo de desenvolver soluções na área da mobilidade e alargando a relação de parceria que já tinham anteriormente. Esta empresa resulta na expansão da parceria estratégica entre as duas organizações.

A CTW terá sede no Porto e um centro de excelência, com dois centros de engenharia, no Porto e em Lisboa. Estar nestes dois centros urbanos visa “potenciar a nossa capacidade de crescer”, explicou Gonçalo Quadros, administrador- executivo da Critical Software ao Computerworld.

Avançar com a empresa está dependente da análise e aprovação por parte de várias autoridades de concorrência competentes, incluindo a alemã, processo que deverá estar encerrado “em Julho”, antecipa o CEO que acredita que desde modo, “se tudo estiver ok, vamos avançar em Setembro”.

Estando “em escrutínio pelas autoridades da concorrência” não é possível “para já divulgar informação relacionada com recursos e investimentos envolvidos”, assinalou quadros sublinhando no entanto que “há um envolvimento substancial” da BMW e da Critical na nova empresa. E que existe uma “parceria sólida e equilibrada” subjacente a este “projecto muito ambicioso”.

A BMW pretende “ser a empresa inspiradora” da revolução em curso na área da mobilidade e definiu uma estratégia para ser a empresa “número um nessa transformação”, disse Gonçalo Quadros. Para o efeito, “viram numa relação connosco a possibilidade de complementar as competências de engenharia que já têm” para atingir aquele objectivo.

 CTW vai investigar e desenvolver software embarcado e muito mais

A nova empresa terá como objectivo o desenvolvimento de “software embarcado para os carros do grupo BMW”, mas também para todo o “ecossistema de plataformas que hão-de consubstanciar a referida revolução em curso” que, segundo Quadros, passa por “experiências de serviços de mobilidade, carsharing, inteligência artificial, do big data, ou da analítica”, mas também a optimização de fábricas (smartfactories), interconectividade entre veículos, customer ecossistem, e plataformas móveis ou na web “um sem número de aspectos que “é necessário construir, melhora ou ajustar”.

Esta é a missão da CTW, explicou o líder da Critical, que celebra esta terça-feira 20 anos sobre a fundação, e que tem como visão ser o número um em matéria de investigação nesta área da mobilidade. “A Critical TechWorks será pioneira, a referência à escala global, na construção do carro do futuro e de uma nova e espetacular era no que toca aos serviços de mobilidade”.

O responsável recorda que não obstante a ambição do projecto, existe “uma pressão muito grande de outros players bem conhecidos deste mercado que têm a mesma a inspiração”, assinalou Quadros. É o caso da Tesla ou da Uber que estão a trabalhar “neste cenário e que também querem inspirar a mudança”.

Por estar em análise pelas autoridades da concorrência ainda não é possível avançar com muito mais detalhes, mas Gonçalo Quadros assinala que as pessoas que irão procurar serão naturalmente na área da engenharia de excelência”, pois será isso que a BMW procura.

Portugal: destino natural para a engenharia de excelência

Abstraindo-se do caso particular, Quadros referiu que é o que a BMW procura, mas também muitas outras empresas que “reconhecem em nós [Portugal] um enorme potencial”.

Quadros recorda: “Portugal é um destino natural para se desenvolverem projectos de competição, porque há engenharia de excelência, porque há capacidade de produção tecnológica de alto nível, porque há gente criativa, porque é um país com bom clima, boa comida, que atrai pessoas talentosas e que facilita o desenvolvimento de projectos como este”.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado