Deixe a Inteligência Artificial fechar os seus negócios

Ainda há muitos líderes de negócio cépticos face à inteligência artificial, mas a sua aplicabilidade nos negócios é vasta, diz, em opinião, Márcio Nogueira, director de estratégia na Impacting Digital.

Márcio Nogueira, director de estratégia na Impacting Digital

Apesar de muitos líderes de negócio se assumirem cépticos relativamente à inteligência artificial (IA), a sua aplicabilidade nos negócios é vasta.

A verdade é que, em poucos anos, a inteligência artificial evoluiu de tal modo passando de uma mera curiosidade tecnológica para uma promissora ferramenta de negócios. A sua proposta de valor, se assim podemos chamar, assenta no aperfeiçoamento das tarefas de qualquer profissional de qualquer área e sector de actividade.

Mas afinal o que é, então, a inteligência artificial? É simples! A inteligência artificial consiste na capacidade de uma máquina, controlada por um computador, pensar, aprender, decidir, realizar tarefas e resolver problemas de forma inteligente. Podemos olhar para esta tecnologia como um simulador do raciocínio humano que pode ser aplicada em diversos sectores de actividade como é o caso da saúde, do entretenimento, das telecomunicações ou até da agricultura.

Muito bem, mas e então, de que forma é que a inteligência artificial pode ser aplicada aos negócios? A inteligência artificial afecta os negócios na medida em que os ajuda a identificar oportunidades através da leitura, interpretação e aplicação dos dados de forma eficaz que, na maior parte das vezes, se apresentam confusos e desorganizados.

Existem quatro formas de utilizar a inteligência artificial para optimizar a relação com os consumidores.

Porém, a facilidade na utilização dos dados não é a única vantagem. A inteligência artificial é muito mais que isso e pode ser aplicada aos negócios nas mais variadas vertentes, principalmente na relação entre marcas e consumidores.

Existem quatro formas de utilizar a inteligência artificial para optimizar a relação com os consumidores:

Interfaces conversacionais: a partir do momento que os consumidores se sentem à vontade para requisitar um Uber através da Alexa, ou para confiarem a sua agenda profissional à Siri, por que não se sentiriam à vontade para interagir com o seu website ou aplicação da mesma forma?

Personalização: está provado que a criação de experiências personalizadas converte. E arriscamo-nos a dizer que não cairá em desuso. Através da aprendizagem automática (machine learning) é possível personalizar não só as experiências como também a comunicação que temos com os diferentes perfis de consumidor. Dois excelentes exemplos são o da Netflix, que nos recomenda filmes ou séries conforme a nossa interacção na plataforma; e o do Spotify, que semanalmente lança para cada utilizador uma “Discover Weekly Playlist”. Acreditamos que, num futuro próximo, o sucesso das marcas estará na sua diferenciação relativamente à personalização da experiência (produtos, serviços e anúncios) baseada nos interesses pessoais de cada um dos consumidores.

Automação: já alguma vez parou para pensar que a tecnologia serve para nos ajudar a concretizar tarefas de forma mais rápida, eficaz e menos dispendiosa? A inteligência artificial, através da aprendizagem automática, ajuda os negócios a automatizar determinadas tarefas agilizando processos e acelerando resultados. Os “chatbots” exemplificam-no na perfeição uma vez que, para além de eliminarem erros humanos, optimizam o processo de conversão de “leads”.

Análise de dados avançada: a essência da inteligência artificial é a sua capacidade de detectar padrões comportamentais através da interpretação de dados. A complexidade destes padrões levaria dias para que um ser humano o identificasse. Esta aprimorização da análise de dados, possível com a aprendizagem automática e o “deep learning”, permite prever outros padrões e, até, situações futuras.

Melhor marketing, mais vendas

Um dos pilares que sustenta a transformação digital nos negócios é a forma como estes se relacionam com os seus clientes, e a inteligência artificial, tal como referimos em cima, actua nesse mesmo sentido. Um dos seus principais objetivos passa por aumentar a satisfação dos clientes, quer seja oferecendo um atendimento mais rápido e personalizado ou resolvendo problemas de forma instantânea sem causar transtornos ao utilizador.

Por isso, e respondendo à questão inicial, a inteligência artificial significa melhor marketing e mais vendas para os negócios.

Além de aumentar a taxa de fidelização clientes, a utilização da inteligência artificial apoia as marcas a optimizar as suas estratégias de marketing no sentido de conquistar novos clientes.

Por isso, e respondendo à questão inicial, a inteligência artificial significa melhor marketing e mais vendas para os negócios.

Por último, e embora se continue a pensar que a inteligência artificial é algo que está longe da realidade das empresas em Portugal, a verdade é que para lá caminhamos e que, enquanto consumidores que também somos, já não passamos sem ela. A questão que lhe colocamos é será que o seu negócio está preparado para implementar esta tecnologia?




Deixe um comentário

O seu email não será publicado