ISQ apresenta dispositivo de realidade virtual para aeronáutica

Um protótipo, exibido no “Berlim Airshow – ILA”, poderá resultar num benefício estimado em mil milhões de euros para o sector da aviação.

Representantes do ISQ com o presidente do mesmo, Pedro Matias (segundo a contar da esquerda)

O Instituto de Soldadura e Qualidade está a apresentar no Salão Internacional “Berlim Airshow – ILA” , um protótipo de dispositivo móvel para aplicação de realidade virtual na manutenção aeronáutica. O equipamento foi desenvolvido pela entidade no âmbito do Projeto Internacional AIRMES – Airline Maintenance Operations Implementation, que reúne vários parceiros.

Ao reduzir as perturbações operacionais, diminuir o tempo médio de atraso e melhorar a utilização de aeronaves, a iniciativa poderá permitir um benefício global de cerca de mil milhões de euros, para o sector da aviação. O dispositivo foi concebido para optimizar “a realização das operações de manutenção, reduzindo assim o tempo da procura de documentação e a diminuição da probabilidade de erro humano, aumentando por isso a eficácia das operações e a diminuição de custos”, explica um comunicado do ISQ.

Na Europa, 5,8% dos voos sofrem atrasos devido a causas técnicas directamente relacionadas com as aeronaves e consequentes atrasos em voos subsequentes. Estima-se que o custo destas perturbações seja de 2,8 mil milhões de Euros, observa o ISQ, em comunicado.

A participação do ISQ no projecto enquadra-se numa presença mais ambiciosa da organização no âmbito do maior programa europeu de liderança industrial de investigação e desenvolvimento tecnológico, para o sector da aeronáutica: o Clean Sky 2. Esta é uma parceria público-privada entre a Comissão Europeia e o sector aeronáutico europeu.

Tem como propósito integrar tecnologias de ponta nas aeronaves; demonstrar configurações inovadoras para as mesmas, possibilitando mudanças no desempenho ambiental e económico. Graças às tecnologias, já desenvolvidas por este consórcio, detalha um comunicado, as futuras aeronaves:
– consumirão cerca de 20 a 30% menos combustível e emitirão cerca de 20 a 30% menos dióxido de carbono;
– terão níveis de ruído inferiores (em relação a 2014) numa percentagem semelhante.

Até ao final do referido certame, no dia 29 de Abril, são esperados mais de 150 mil visitantes e 1000 expositores de mais de 37 países.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado