Kubernetes com novos recursos de armazenamento em beta

A actualização mais recente da plataforma de gestão de “containers” marca o início de uma nova estratégia de gestão do ciclo de vida de problemas da plataforma.

A versão mais recente do sistema de coordenação de de “containers” Kubernetes, a 1.10, move alguns recursos de armazenamento, DNS e autenticação para o estado beta. Constitui também o primeiro lançamento de uma nova estratégia para os ciclos de vida de problemas da plataforma.

A gestão passa a ser automatizada de modo a garantir que os problemas antigos não fiquem em aberto por muito tempo. A versão beta do Container Storage Interface promove uma maneira mais fácil de adicionar “plug-ins” de volume ao Kubernetes, algo que anteriormente exigia a recompilação do binário do Kubernetes.

A Kubectl CLI, usada para executar tarefas de gestão e de manutenção comuns no Kubernetes, agora pode aceitar “plug-ins” binários capazes de executar a autenticação em serviços de terceiros, como fornecedores de cloud computing e o Active Directory.

O “armazenamento não partilhado” , ou a capacidade de montar volumes de armazenamento local como se fossem volumes persistentes do Kubernetes, é agora uma capacidade em estado beta. As API para volumes persistentes agora têm verificações adicionais para garantir que os volumes persistentes em uso, não sejam excluídos.

O fornecedor de DNS nativo no Kubernetes passou a poder ser trocado pelo CoreDNS. Este é um projecto de DNS gerido pela Cloud Native Computing Foundation (CNCF) com uma arquitectura modular. Contudo a troca só pode ser realizada quando um “cluster” do Kubernetes é configurado pela primeira vez.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado