Novidades do Android P para programadores

As ferramentas de desenvolvimento para o sistema operativo da Google dão atenção à integração com Kotlin, aprendizagem automática e compatibilidade com aplicações.

A versão beta para programadores do Android P, surge com melhorias na programação com a Kotlin, suportada via “plug-in” no Android Studio. O fabricante a promete maior desempenho do software produzido e deu mais atenção à área de aprendizagem automática e compatibilidade entre aplicações.

Para a referida componente de inteligência artificial em dispositivos móveis, a API Neural Networks vem com nove recursos: “Pad”, “BatchToSpaceND”, “SpaceToBatchND”, “Transpose”, “Strided Slice”, “Mean”, “Div”, “Sub”, e “Squeeze”. E a API C executa operações mais intensivas de aprendizagem automática.

Para aumentar a compatibilidade de aplicações com o Android P, a Google irá gradualmente limitar o acesso a interfaces de dispositivo não disponbilizadas no kit de desenvolvimento. Este oferece, na referida versão beta, imagens do sistema para testes no Android Emulator e em vários dispositivos Pixel.

Outras melhorias no Android P incluem:

‒ uma interface de utilizador mais consistente para autenticação com impressão digital;
‒ posicionamento interior mais preciso através de API Round-Trip-Time (RTT), com as quais as aplicações podem medir a distância do dispositivo aos pontos de acesso Wi-Fi. A partir desses dados a posição da máquina pode ser calculada com granularidade de um metro;
‒ melhor desempenho e eficiência em todas as aplicações no Android Runtime (ART);
‒ novas API na Autofill Framework, para economizar tempo no preenchimento de formulários em gestores de passwords;
‒ para pagamentos móveis, surge uma implementação da GlobalPlatform Open Mobile API;
‒ suporte de recorte automático de imagem, para garantir a exibição de conteúdo em todo o ecrã em novos tamanhos;
‒ novas API para gestão da exibição de conteúdo no ecrã tela, como suporte a entalhes;
‒ o recurso MessagingStyle para notificações de mensagens que destaca quem está a enviar e as formas de lhe responder;
‒ uma API para arquitectura de múltiplas câmaras, para acesso a fluxos de duas ou mais. Os programadores podem criar recursos como os de zoom e visão em estéreo. Além disso, podem usar a API para recorrer a um fluxo de câmara lógico ou misto e alternar automaticamente entre câmaras;
‒ parâmetros de sessão para câmaras, para reduzir atrasos após a captura inicial;
‒ suporte à partilha de superfície de interacção, para os utilizadores poderem lidar com diferentes casos de uso sem necessidade de parar e retomar recepções e emissões audiovisuais;
‒ API para suportar estabilização de imagem e efeitos especiais em aplicações.


Tags


Deixe um comentário

O seu email não será publicado