Capgemini confirma falta de profissionais de cibersegurança

A procura de profissionais especializados em cibersegurança deverá continuar a aumentar nos próximos dois a três anos.

 Cybersecurity Talent : The Big Gap in Cyber Protection, Fonte: CapgeminiExiste um desequilíbrio no mercado entre a escassez de oferta de profissionais de cibersegurança e a necessidade crescente de profissionais com este perfil nas empresas, revela um estudo do Digital Transformation Institute, da Capgemini. O relatório sublinha que as empresas têm urgência em recrutar e reter mão-de-obra especializada, e que sentem falta de ideias inovadoras para diminuir aquela disparidade.

O relatório Cybersecurity Talent : The Big Gap in Cyber Protection confirma que a carência de talentos na área da cibersegurança é crescente. O estudo recomenda também a adopção de novas estratégias de recrutamento e de retenção de colaboradores por parte das empresas para procurer conter as ciberameaças e aumentar as vantagens competitivas.

O documento revela ainda que as empresas mais afectadas por esta escassez são as que “têm aspirações a serem líderes no setor digital, sobretudo as especializadas na área da cibersegurança.”

A procura de talento é maior na área da cibersegurança. É também onde o fosso entre a grande procura e a oferta reduzida é maior.

A Capgemini inquiriu 1200 gestores e trabalhadores e analisou as opiniões expressas nas redes sociais por mais de 8000 profissionais de cibersegurança. 68% das empresas inquiridas revelou que precisa de mão-de-obra especializada em cibersegurança, 61% na área da inovação e 64% disse que do que mais precisam são de competências analíticas.

A consultora comparou estas necessidades com o nível de disponibilidade dos profissionais que as empresas já têm contratados e concluiu que “existe uma diferença de 25 pontos percentuais no que diz respeito às competências na área de cibersegurança (apenas 43% das empresas inquiridas revelou já possuir profissionais com este perfil no seu quadro atual de pessoal), contra 13 pontos percentuais no que se refere às competências analíticas (51% de recursos internos já contratados) e de 21 pontos percentuais na inovação (40% de recursos internos já contratados)”. 

A procura de profissionais especializados em cibersegurança deverá continuar a aumentar nos próximos dois a três anos: 68% dos inquiridos referiu que esta procura já é muito elevada hoje em dia, e 72% prevê que venha a aumentar de forma significativa até 2020.

O estudo recomenda que as empresas se protejam contra o número crescente de ciber-ataques e que tenham também em atenção o tema da segurança de uma forma abrangente e transversal de modo a maximizarem também as vantagens competitivas advindas da digitalização.

Capgemini cria lista de prioridades estratégicas para os negócios

Prioridade 1 – Integrar a segurança em todas as áreas da empresa

Prioridade 2 – Maximizar as Competências/Recursos que já existem

Prioridade 3 – Inovar no Recrutamento

Prioridade 4 – Fidelizar Talentos




Deixe um comentário

O seu email não será publicado