Sonae IM investe na Sensei

A startup angariou meio milhão de euros numa ronda em que participaram o Metro Group e a Techstars, além dos investidor português.

Joana Rafael, Vasco Portugal e Paulo Carreira

A Sensei anunciou a obtenção de 500 mil euros em financiamento pé-semente. Entre os participantes na ronda está um dos maiores grupos retalhistas mundiais, o alemão Metro Group e a Sonae IM, através da Bright Pixel.

Além do acelerador de negócio, Techstars, participou ainda um conjunto de “business angels” A startup portuguesa foi fundada há um ano focada na aplicação de sistemas de inteligência artificial no negócio do retalho tradicional, optimizando as operações das lojas e a experiência do cliente.

“Queremos tornar a experiência em loja mais conveniente para o cliente, sem barreiras e mais personalizada do que alguma vez foi possível”, afirma Vasco Portugal, um dos fundadores da Sensei. A empresa concluiu no ano passado, recorda um comunicado, programas no referido acelerador americano e no Metro Accelerator for Retail, em Berlim.

Isso chamou a atenção dos investidores para o que é a primeira fase de expansão da startup fundada ainda por Joana Rafael e Paulo Carreira. O que mais nos atraiu na Sensei foi a sua capacidade de inovar e o talento da equipa que suporta o seu desenvolvimento.

Esta sinergia para nós é fundamental na hora de investir, porque só desta forma temos a certeza de que entregamos uma solução capaz de ter um impacto positivo nas empresas”, salienta Alexandre Teixeira dos Santos, líder de desenvolvimento de portefólio de investimento na Sonae IM.

Com a tecnologia da Sensei os resultados da monitorização são apresentados em tempo real num painel de informação, sendo esta recolhida de forma  anónima, com respeito pela privacidade, garante a startup.

A Sensei desenvolveu um algoritmo que consegue transformar câmaras de video-vigilância num sensor. Com o dispositivo é possível replicar na forma digital todo o espaço e produtos, além de se obter informação sobre interacções com os visitantes.

“Discute-se muito o crescimento das compras online e rapidamente esquecemo-nos que
cerca de 90% do comércio de retalho ainda é feito em lojas físicas. No Sensei, a Techstars não
só investiu numa equipa com conhecimentos profundos na área, mas também no seu foco em
trazer o retalho físico para a era digital, onde a informação captada consegue tornar a
experiência de compra completamente otimizada, tanto para o vendedor como para o cliente”,
sublinha Greg Rogers, Diretor Executivo da Techstars.

Recorrendo a software intuitivo, o sistema apresenta uma imagem da loja e para obter padrões de compra, regista vários indicadores sobre:

‒ prateleiras vazias;
‒ o espaço percorrido por clientes;
‒ se os produtos expostos captam a atenção;
‒ o fluxo de entrada e saída;
‒ interacções no espaço de loja;
‒ a conversão em vendas.

“Num mundo digital, os players do e-commerce têm acesso detalhado aos desejos e
comportamentos dos seus clientes muito antes do tempo e as lojas físicas não tinham, até
agora, essa informação disponível”, nota Olaf Koch, CEO do Metro AG.

Com a tecnologia da Sensei os resultados da monitorização são apresentados em tempo real num painel de informação, sendo esta recolhida de forma  anónima, com respeito pela privacidade, garante a startup. A recolha de dados revela os padrões da interacção dentro da loja e reúne essa informação para ser disponibilizada como serviço a partir da cloud, a que o retalhista pode aceder em tempo real.

Os fundadores da startup juntam conhecimento sobre o retalho e TIC. O grupo começou a
formar-se no Instituto Superior Técnico, onde Paulo Carreira é professor de engenharia de
software, e Vasco Portugal e Joana Rafael doutorandos do programa MIT Portugal.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado