Associação vai calcular quanto vale ecossistema RV/RA

O mercado nacional de realidade aumentada e virtual é composta por, pelo menos, 39 empresas. O capítulo português da VRARA vai calcular o valor global de negócio a partir de Março.

Luís Bravo Martins, IT People Innovation

Luís Bravo Martins, co-presidente do capítulo de Lisboa da VRARA.

O capítulo português da associação realidade virtual e realidade aumentada (Virtual Reality and Augmented Reality Association – VRARA) apresentou, em Lisboa, o mapa das empresas que operam na área em Portugal.

Segundo o levantamento do capítulo português, são 39 empresas que se destacam pela “qualidade do trabalho publicado” e que “têm tudo para se destacarem internacionalmente e para receber mais e melhores projectos, clientes e investimento nesta área”, explica Luís Martins, co-presidente do capítulo de Lisboa da VRARA.  

O objectivo deste levantamento e da realização do mapa do ecossistema do sector (na imagem), é “começar a comunicar com investidores estrangeiros que Portugal tem capacidade para albergar centros de competências nesta área, porque temos bastante talento nesta área”, explica o mesmo representante.

O próximo desafio do capítulo nacional é avaliar quanto vale o mercado da realidade virtual/aumentada em Portugal, estando prevista a realização de um estudo durante os meses de Março e Abril, assinalou Luís Martins.

Ecossistema português das realidades virtual e aumentada.

Na reunião da semana passada a associação propôs-se replicar a nível nacional o modelo de ecossistema de Vancouver, distribuindo as empresas pelos diferentes segmentos: conteúdos; ferramentas e soluções; educação; jogos; comunidade e hardware.   

A VRARA é a associação global de profissionais de realidade virtual e realidade aumentada que “visa criar uma comunidade global de membros através de capítulos locais”, explica Luís Martins. Actualmente existem 52 capítulos em 26 países, incluindo o capítulo português criado em Setembro de 2017.

O capítulo português conta com cinco membros e tem como estratégia “promover o talento português internacionalmente, por forma a gerar oportunidades internacionais para os membros da associação”. Globalmente, a associação de origem norte-americana existe há três ano e conta com mais de 4000 associados incluindo a Touchstone VR, a Boeing, a Sears e a Epson.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado