Abriu segunda fase de candidatura ao Apostar em TI

Período decorre até 13 de Fevereiro, com a organização a aceitar 50 candidatos, tendo em vista a selecção de 20 a 25 de um total de 200.

ITGrow e ISEC abriram a segunda fase de candidatura ao programa Apostar em TI, focada em pessoas que não tiveram oportunidade de se inscreverem. “Nesta segunda fase queremos dar oportunidade às pessoas que por exemplo estão fora do país e não tinham ‘timings’ compatíveis com os da primeira fase”, especifica Catarina Fonseca, directora-geral da iTGrow.

A responsável considera que a primeira fase foi um sucesso tendo conta as 150 inscrições, e o número de 100 candidatos, definido como objectivo. Em perspectiva está a aceitação de mais 50 candidaturas para juntar às 150 já realizadas. Das 200 pessoas inscritas serão seleccionados 20 a 25 formandos.

A formação terá um custo de 1950 euros a serem suportados pelos alunos, através do pagamento de uma propina, dividida em cinco tranches. Metade é paga no início da formação e o restante valor a ser liquidado em prestações até ao final da formação. O investimento é recuperado durante o estágio, diz a organização.

O processo de selecção dos candidatos, promovido pela iTGrow, inclui a realização de provas individuais e em grupo e de entrevistas, com o objectivo de seleccionar aqueles que demonstrarem elevada capacidade para cumprir, com sucesso, as exigências do Apostar em TI.

O período de candidaturas decorre até 13 de Fevereiro e iniciativa de formação tem início previsto para o corrente mês estendendo-se até Maio de 2019. Mas a fase lectiva vai até Julho de 2018.

Os formandos terão acesso a um estágio profissional remunerado de nove meses, nas empresas parceiras do projecto, com o valor fixado em 750 euros brutos.

O Apostar em TI destina-se a desempregados que tenham frequentado um curso superior e possuam apetências para as áreas da ciência, tecnologia, engenharia e matemática (CTEM). Aposta naqueles motivados para a reconversão das suas competências visando o segmento da programação em linguagens C/C++ de sistemas embebidos.

Depois os formandos terão acesso a um estágio profissional remunerado de nove meses, nas empresas parceiras do projecto. O valor mínimo da remuneração mensal está fixado em 750 euros brutos.

Critical Software pretende receber 50% dos formandos

Além da iTGrow e do ISEC, o programa conta com várias empresas aderentes, que irão garantir o estágio profissional. A Critical Software, que divide a propriedade da primeira empresa com o BPI, pretende receber 50% dos formandos.

Os restantes serão distribuídos pela Open Limits, Active Space Technologies, Controlar; MecalbiI, UbiWhere e Virtual Power Solutions. Os estágios deverão decorrer entre Setembro de 2018 e Maio de 2019, com acompanhamento pelos docentes do programa, afectos aos departamentos de engenharia electrotécnica e informática do ISEC.

O programa tem como objectivo responder à escassez de mão de obra do mercado de TICE.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado