Mobinteg quer mais pessoas, mercados, projectos e investimento

A startup portuguesa Mobinteg continua a trabalhar no desenvolvimento e suporte de produtos, em particular no mercado norte-americano. A empresa tem cerca de cinco anos e quer crescer “em todos os aspectos” e lançou recentemente a app ‘Tá Pedido.

Fernando Pinto, fundador da Mobinteg

A empresa tem como objectivos continuar a crescer em todos os aspectos: “em equipa, em mercados, em projectos, em investimento”, refere Fernando Pinto, fundador da Mobinteg.

A startup está “activamente à procura de novos colaboradores, sobretudo na área de desenvolvimento backend e mobile. Neste momento já somos mais de 20 na família Mobinteg”, diz Fernando Pinto.

Para Fernando Pinto, o negócio da Mobinteg é sustentável por assentar em três pilares chave. A empresa tem “serviços de desenvolvimento de software que são os que suportam o desenvolvimento de produtos”, conta também com o apoio de “soluções inovadoras e com um elevado grau de inovação e complexidade” e continua a posicionar-se como uma empresa B2B.

No futuro, “queremos continuar a expandir-nos, não só em Portugal, mas no resto do mundo. Neste momento, mais de 80% da nossa facturação é externa”. A empresa actua “além de Portugal, nos Estados Unidos, Itália, Brasil e Espanha, com a nossa app de smart tourism (a Smiity), e várias mobiShout! que desenvolvemos para publicações de referência nacionais e internacionais, entre outras soluções para empresas e marcas específicas”.

O principal foco da empresa são as soluções móveis. “O nome Mobinteg vem de mobile integrators e da vontade de disponibilizar os serviços empresariais nesta nova geração de dispositivos móveis”, explica Fernando Pinto que considera que a empresa “está em fase de crescimento”, com investigação em Portugal e ajuda no negócio nos EUA, em Itália, em Espanha e, mais recentemente, na Holanda.

Daqui em diante, “pretendemos não só focar-nos nos produtos, mas também continuar o caminho que temos vindo a fazer a nível de criação de serviços”, adianta.

Solução ajuda a colmatar acessibilidades fracas

A startup esteve na Web Summit para apresentar a ‘Tá Pedido , uma aplicação que visa  “cobrir as falhas dos transportes públicos tradicionais, colmatar acessibilidade fracas e promover a inclusão social”. Através da plataforma de gestão de transportes públicos ‘Tá Pedido, o cliente pode recorrer a um serviço descentralizado, como a Junta de Freguesia ou Casa do Povo, telefonar para a central coordenadora e pedir uma viagem, identificando a origem, o destino e o horário pretendidos.

Em seguida, o passageiro é alocado numa rota do serviço e, consoante os pedidos o operador (ou operadores) efectua a gestão dos recursos (veículos e condutores). Em regra, são usados veículos de pequenas dimensões, como táxis e miniautocarros. As tarifas aplicadas são mais elevadas que o serviço regular de transportes públicos, mas inferiores às praticadas em táxis, explica Fernando Pinto, fundador da startup.

“Os principais destinatários do ‘Tá Pedido são as pessoas que residem em vilas, cidades ou regiões onde o acesso a transportes públicos regulares e variados é reduzido. A app móvel (disponível para iOS e Android) e web é gratuita “procura colmatar essas falhas” proporcionando, em conjunto com as autarquias e instituições, “alternativas de transporte mais cómodas e à distância de um toque no ecrã”.

Relativamente a concorrentes, “pelo que analisámos no mercado, não existe uma solução deste tipo que vá ao encontro daquilo que é o transporte flexível”. Por exemplo, explica Fernando Pinto, “O ‘Tá Pedido envolve a comunidade local/autarquia e permite transportar mais pessoas de uma vez. Por exemplo, se dez pessoas estiverem na mesma rota é possível alocar um miniautocarro camarário. De referir ainda que esta solução permite dar reporting e feedback ao município e parceiros, sejam táxis, ambulâncias ou outros”.

Aplicação para turismo inteligente

A Mobinteg é também a criadora da Smiity (SMart Interactive cITY), uma aplicação de turismo inteligente que tem como objectivo “tornar as cidades mais inteligentes e facilitar a comunicação das mesmas com turistas e cidadãos”, explica Fernando Pinto. A aplicação recorre a ‘beacons’, pequenos emissores de sinais que comunicam com o smartphone do utilizador via Bluetooth, enviando notificações ‘push’ com conteúdos exclusivos e/ou informação contextual.

A Smiity dá ainda acesso às principais notícias, eventos, percursos pedestres e pontos de interesse de um destino. O utilizador pode explorá-las através de um mapa ou de Realidade Aumentada. O texto pode também ser convertido em áudio, com uma ferramenta text-to-speech, o que a torna uma ferramenta “bastante inclusiva para a comunidade invisual”, explica Fernando Pinto.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado