Programa Apostar em TI assegura primeiros 24 estágios

Os primeiros estágios são garantidos pela Critical Software, Open Limits, Active Space Technologies; Controlar, Mecalbi, UbiWhere e Virtual Power Solutions .

O programa Apostar em TI, promovido pela iTGrow e pelo Instituto Superior de Engenharia de Coimbra (ISEC), anunciou a adesão das sete primeiras empresas que irão assegurar 24 estágios remunerados às pessoas que tenham completado a formação com sucesso.

O Apostar em TI é um programa de reconversão profissional, através do qual são assegurados estágios profissionais remunerados de nove meses aos formandos que completarem com sucesso a fase lectiva do curso.

Aderiram até agora a Critical Software, que irá receber 50% dos formandos, a Open Limits, a Active Space Technologies, a Controlar, a Mecalbi, a UbiWhere e a Virtual Power Solutions.

A fase de candidaturas decorre até 15 de Fevereiro e os interessados devem consultar a informação no site do programa.

Os estágios, que visam o desenvolvimento das competências adquiridas durante o curso, irão decorrer entre Setembro de 2018 e Maio de 2019. Esta fase será acompanhada pelos docentes do programa, afectos aos departamentos de engenharia electrotécnica e informática do ISEC. O valor mínimo da remuneração mensal está fixado em 750 euros brutos, avançam os promotores.

O Programa Apostar em TI tem como objectivo responder à escassez de mão de obra do mercado das TICE, canalizando indivíduos desempregados para um segmento de mercado com um enorme potencial de empregabilidade em todo o mundo.

O Programa Apostar em TI tem como objectivo responder à escassez de mão de obra do mercado das TICE.

“Estamos muito satisfeitos com o elevado número de empresas que já aderiu ao Programa e que se comprometeu a garantir os estágios, uma vertente fundamental para o sucesso desta iniciativa e para facilitar a reentrada dos formandos no mercado de trabalho, num segmento de mercado que é apontado como sendo um dos de maior futuro, crescimento e sustentabilidade.” refere João Cunha professor no Departamento de Engenharia Informática no ISEC e coordenador pedagógico do Apostar em TI.

Por seu turno, Catarina Fonseca, directora geral da iTGrow, uma iniciativa conjunta da Critical Software e do BPI, considera que as empresas que aderiram “têm a oportunidade de ampliar a sua pegada de responsabilidade social ao acolherem profissionais qualificados que se encontravam anteriormente numa situação de desemprego.”

O Programa terá a duração total de 14 meses, repartidos por um período de cinco meses de formação e por um segundo período de 9 meses de consolidação e formação on-the-job.

A formação terá um custo de 1.950 euros, suportada pelos formandos, através do pagamento de uma propina, dividida em cinco tranches até ao final da formação de 20 semanas. Estão disponíveis soluções de crédito para apoiar fazer face às despesas com propinas, aquisição de computadores, ou/e à subsistência mensal durante o período lectivo.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado