O que precisa de saber com o fim do Windows Phone

A Microsoft vai dar suporte ao Windows 10 por algum tempo, mas os produtores de aplicações deixarão de enviar actualizações para as apps imediatamente.

Tornou-se óbvio nos últimos anos, mas a Microsoft só admitiu esta semana que perdeu a aposta no Windows em versão de mobilidade para smarphones. Aos utilizadores recomenda-se que primeiro determinem qual é a versão do sistema operativo que o seu smartphone está a usar.

Se for o Windows Phone 8.1, o suporte já acabou em Julho. Isso significa que não serão emitidas mais correcções de segurança para o sistema operativo nem qualquer actualização. No caso de o dispositivo funcionar com o Windows 10 Mobile, ainda tem alguma tempo de utilização embora ainda não seja claro quanto.

A Microsoft continuará a suportar o Windows 10 durante um período, com “patches” de segurança, mas sem novos recursos. Não é uma má ideia pensar em mudar para o Android ou o iOS, porque os produtores de aplicações deixarão de enviar actualizações para as apps imediatamente.

Os dispositivos equipados com o Windows Mobile durante muito tempo apenas 1 a 2% daqueles vendidos e os produtores de aplicações móveis simplesmente perderam o interesse em desenvolvê-las para a pequena minoria de utilizadores. A disputa pelo espaço de mercado existente além do iOS e Android tem sido, relativo ao de terceiro maior fornecedor de sistema operativo para smartphones tem na lista de derrotados a Amazon (Fire OS), a Samsung (Tizen), a Mozilla (Firefox OS), a BlackBerry (BlackBerry 10), entre outros.

Quem assumiu a derrota da Microsoft foi o vice-presidente Joe Belfiore, ao anunciar numa mensagem de Twitter que o desenvolvimento do Windows 10 Mobile cessaria. “Tentámos MUITO incentivar os produtores de aplicações. Pagámos-lhes com dinheiro… desenvolvemos aplicações para eles … mas o volume de utilizadores é muito baixo para a maioria das empresas investir”, referiu numa mensagem, para depois escrever que o desenvolvimento de novos deixou de ser o foco.

 

Com Jim Martin, da PC Advisor.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado