Check Point defende unificação de segurança para IoT

A abordagem servirá para cobrir aspectos como a segmentação da rede e a mitigação de múltiplos vectores de ataque avançados.

A Check Point o maior fabricante mundial especializado em segurança, alerta para o crescimento dos ciberataques a dispositivos integrados em redes de IoT dos sistemas de informação na saúde de todo o mundo. A adopção de uma arquitectura de segurança unificada para protecção integral dos equipamentos é a melhor abordagem, defende o fabricante.

Conforme sector da saúde adopta tecnologias de IoT os aparelhos conectados têm um enorme potencial para salvar vidas. Mas também põem em risco os dados sensíveis sobre os pacientes e o bom funcionamento dos equipamentos.

Para avaliar a vulnerabilidade dos sistemas torna-se importante importante distinguir entre os diferentes tipos de objectos interligados. Há os dispositivos médicos portáteis, que vão desde uma bomba de insulina a um pacemaker.

Um ciberataque directo contra estes dispositivos pode servir para chantagear o paciente, ameaçando-o com a interrupção do seu funcionamento. Mas também pode haver máquinas como dispensadores de farmácia inteligentes ou estações de quimioterapia conectadas. As possibilidades de os cibercriminosos porem em perigo a vida das pessoas que estão nos hospitais, tomando o controlo dos dispositivos que servem para as tratar, merece preocupação, alerta o fabricante.

A Check Point defende que os criadores e fabricantes de IoT para o sector médico, assim como as
empresas e os pacientes que utilizam os dispositivos, devem tomar uma série de precauções para minimizar os riscos:

‒ Implementar um modelo de privacidade desde o desenho da máquina. Esta medida também é necessária para qualquer empresa sujeita ao cumprimento do Regulamento Geral de Protecção de Dados e tem
de fazer parte integrante do desenho e concepção de todo e qualquer equipamento IoT para a
saúde.
‒ Assegurar um sistema de segurança móvel e de terminais avançado. Uma estratégia de protecção integral, que garanta que todos os equipamentos estão protegidos com uma só arquitectura, é a melhor abordagem, diz a Check Point. Esta solução deve cobrir aspectos como a segmentação da rede e, para ser capaz de mitigar os múltiplos vectores de ataque avançados, devem ser incluídas soluções de prevenção de ameaças.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado