Growin avança para novos escritórios

A empresa procura ganhar espaço para reforçar a equipa, de modo a crescer e responder ao aumento do volume de trabalho em projectos internacionais. Durante os últimos 12 meses a consultora contratou 92 trabalhadores, diz.

Sónia Jerónimo, CEO da Growin

A Growin passou a funcionar em novos escritórios “estrategicamente localizados” no centro de Lisboa, mais precisamente na Avenida da República, para acomodar um máximo de 50 trabalhadores. Segundo Joana Mendes, gestora de talento da Growin, serão sobretudo consultores especializados em tecnologia Java, Scala, PHP, Microsoft, Oracle, e OutSystems.

A mudança tem como objectivo dar sustentação ao aumento do número de projectos em que a consultora está envolvida e a consequente necessidade de reforçar a equipa, refere um comunicado. Neste momento, detalha a nota, estão cerca de 120 metros quadrados já alocados para servir clientes internacionais e a empresa prevê expandir esta ocupação “para mais 250 m2 até ao final do ano”.

O investimento em infra-estruturas mais amplas está directamente relacionada com a necessidade de dar resposta ao negócio com clientes internacionais, especialmente no contexto da actividade no Reino Unido: inclui “um dos maiores projetos de Big Data” naquele país. Em Fevereiro, a empresa tinha  uma equipa de seis engenheiros de software, todas associados ao negócio no Reino Unido e previa duplicar essa equipa até final do ano.

Em 2016, percentagem de negócio referente às operações internacionais foi cerca de 10%, da facturação total, a qual ficou nos cinco milhões de euros.  “A empresa fechou o primeiro semestre do ano com um crescimento bastante significativo, fruto do investimento estratégico na área de nearshore, mais concretamente em sistemas distribuídos para clientes no Reino Unido”, avança  Sónia Jerónimo, CEO da Growin.

Até 2020, a Growin pretende que cerca de 30% da sua facturação seja de negócio internacional.

A consultora, refere, conseguiu ”conquistar grandes contas internacionais, incluindo algumas empresas da Fortune500”. E para próximo ano, a executiva traça já algumas linhas de foco que incluem “a continuidade da aposta nos temas Big Data, Analytics, DevOps e Internet of Things (IoT)”. Até 2020, a Growin pretende que cerca de 30% da sua facturação seja de negócio internacional.

O referido investimento concretiza-se numa altura a nossa equipa de consultores “começa a crescer a um ritmo bastante significativo”, diz Sónia Jerónimo. Nos últimos 12 meses, detalha, foram contratados 92 novos trabalhadores, e a sua expectativa é que o grupo de trabalho continue a crescer.


Tags


Deixe um comentário

O seu email não será publicado