Axesor oficializa operação directa em Portugal

A consultora espanhola, de gestão de risco de crédito, aposta na plataforma axesor 360 e arrancou com um equipa de dez pessoas.

Pedro Curto, director-geral da Axesor Portugal

A Axesor anunciou o arranque oficial da sua operação directa em Portugal para o fornecimento de serviços de consultoria de gestão integrada de risco de crédito comercial e classificação de empresas (em termos de risco de crédito).

Depois de desenvolver o negócio através de parceiros, e de alguns meses de preparação, a consultora avança com uma equipa de dez pessoas e perspectivas de a aumentar até 15 profissionais. A operação enquadra-se no plano de
internacionalização da empresa, o qual envolve o investimento mais de 20 milhões de euros, em termos globais.

O programa incluiu o início de actividade directa na Irlanda e nalguns países da América do Sul: Chile, Colômbia e Peru. Os primeiros países incluídos num ambicioso plano de expansão internacional. Em Portugal, a Axesor entra com uma estrutura de pessoas dedicadas às operações comerciais e de consultoria.

Assenta a sua proposta de valor para a gestão do risco de crédito comercial, em serviços de consultoria especializada para modelização do risco, incluindo a definição de indicadores preditivos de risco e de comportamento de pagamentos, detalha uma comunicado.

A sua oferta tecnológica funda-se na plataforma axesor 360 que diz estar preparada para integração com qualquer ERP. O sistema permite às empresas utilizadoras fazerem o acompanhamento em tempo real das suas carteiras de clientes.

Recorrendo aos indicadores de risco personalizados, garantem a aplicação da política definida para todas as fases
do ciclo de crédito, garante a consultora. A Axesor promete, além da redução de risco, uma maior liquidez, minimização de custos financeiros e operacionais, através da eficiência e automatização de processos.

“As empresas portuguesas passam agora a poder beneficiar, entre outros, de um repositório de informação de comportamentos de pagamento de grande qualidade e dinamismo – tanto mais importante num contexto de fortes relações comerciais à escala ibérica onde mais de 25% das exportação portuguesas têm como destino Espanha”, observa Pedro Curto, director-geral da Axesor para Portugal.

O referido acervo permite, segundo o responsável a utilização de técnicas de computação (aprendizagem automática) na construção dos modelos preditivos de risco. Representa um “salto qualitativo enorme em comparação com os modelos mais tradicionais de base estatística”, garante.


Tags


Deixe um comentário

O seu email não será publicado