Zoho tem nova proposta mais arrojada

A nova oferta do fornecedor de cloud computing, a Zoho One, conjuga mais de 30 aplicações, ao preço mensal de 30 dólares por utilizador.

Raju Vegesna, “Chief Evangelist” da Zoho

A Zoho quer tornar-se no sistema operativo das empresas. É assim que a explica o seus posicionamento no mercado de cloud computing e reformulou a sua oferta, com a Zoho One.

Na prática a empresa oferece múltiplas aplicações para gerir uma empresa usando o conjunto que reúne todas as ferramentas, a 30 dólares por mês, para cada utilizador.

A Zoho One, disponível desde esta terça-feira, inclui todos as 38 aplicações baseadas em cloud do fornecedor , além de cerca de meia dúzia nativas, além de mais de 40 para dispositivos móveis. Disponibiliza gestão centralizada através de uma consola, que permite às empresas gerir aplicações e definir grupos de administração, assim como privilégios de segurança e acesso.

Na era da cloud computing, o preço das suites de produtividade em particular, tem caído de forma regular. Por exemplo, a Google oferece s aplicações da G Suite a 5 dólares por utilizador. Mas as aplicações da Zoho abrangem ferramentas de vendas e marketing, incluindo CRM, gestão de operações, de finanças, contratação de gestão de recursos humanos.

Inclui ainda plataformas de colaboração, email e gestão de projectos, aplicações de serviços de assistência em TI. A Zoho disponibiliza ainda a Creator, para criar aplicações personalizadas.

“A Zoho quer ter milhões de clientes na sua plataforma, para obter uma escala capaz de garantir rentabilidade”, nota Brent Leary (CRM Essentials)

O fornecedor já disponibilizava pacotes de aplicações, com o CRM Plus, o Workplace (produtividade) e o Finance Plus. Mas passou a conjugar numa só oferta todo o seu software por um só preço, vinculado através do novo painel de gestão. O preço associado à Zoho One é, na verdade, menor do que aquele cobrado pela empresa por algumas de suas aplicações e pacotes.

A empresa quer mudar o modelo de licenciamento de software actual para empresas, defende Raju Vegesna, executivo promocional da Zoho. “O software empresarial hoje, é bastante racionado, sendo preciso seleccionar que utilizadores ficam com licenças, porque é extremamente caro. E isso levou a que o tamanho do próprio mercado de software de negócios encolhesse”, nota Vegesna.

Mas a abordagem é semelhante à da Amazon e da Facebook, assinala disse Brent Leary, co-fundador e sócio da empresa de gestão e consultoria, CRM Essentials. “A Zoho quer ter milhões de clientes na sua plataforma, para obter uma escala capaz de garantir rentabilidade”.

Existem cerca de dois mil milhões de utilizadores de ofertas de cloud computing para o mercado de consumo, em comparação com 20 milhões ou 30 milhões de cloud empresarial, observa Leary. Existem oportunidades de crescimento no segmento empresarial.

À medida que essa base de incrementa, a Zoho vê uma oportunidade de funcionar mais como a Facebook e a Amazon, com pequenas margens, mas grandes oportunidades de receita tendo uma enorme base de utilizadores, considera.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado