WannaCry abriu cooperação da UE contra ciberataques

O WannaCry não foi apenas excepcional enquanto ameaça. Deste incidente nasceu o primeiro caso de verdadeira cooperação europeia em matéria de cibersegurança.

Krzysztof Silicki, vice-presidente do Conselho de Administração ENISA

“Não preciso explicar o que é o WannaCry. Mas talvez não saibam que este incidente foi o primeiro caso de cooperação na Europa em matéria de cibersegurança”, disse Krzysztof Silicki, vice-presidente do Conselho de Administração da European Network and Information Security Agency (ENISA).

Segundo o orador principal, do primeiro dia da conferência anual C-Days, promovida anualmente pelo Centro Nacional de Cibersegurança Portugal, o “WannaCry foi a oportunidade de ver em acção a equipa europeia de resposta a incidentes de segurança informática (Computer Security Incident Response Team – CSIRT)”, suportada pela ENISA.

As várias agências nacionais (a CNCS a partir de Portugal) desenvolveram o seu trabalho localmente e partilharam informação e relatórios com a rede CSIRT “o que permitiu criar um relatório integrado, ter um panorama global a à escala europeia”, assinalou o responsável. Para o efeito foram utilizados os procedimentos operacionais desenvolvidos pela ENISA.

A agência europeia tem como função facilitar a cooperação entre as várias agências e centros de cibersegurança nacionais. E no âmbito da ameaça do WannaCry desempenhou o seu trabalho ao recolher e analisar a evolução informação que ia sendo disponibilizada, incluindo as publicações na imprensa.

Krzysztof Silicki sublinha que esta cooperação “é muito importante para compreender a situação à escala europeia, mesmo em plena a crise”.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado