Critical volta a bater máximo de facturação (actualizado)

A empresa atingiu um volume de negócios de 30 milhões em 2016, crescendo 18%.

goncalo-quadros_ceo-da-critical-software

Gonçalo Quadros, CEO da Critical Software

A Critical Software, depois de facturar 26 milhões de euros em 2015, voltou a bater este máximo em volume de negócios, ao crescer 18%, para o patamar dos 30 milhões de facturação. Nos últimos três anos, a empresa registou um aumento de 54% no seu volume de negócios graças a um crescimento muito significativo da sua actividade, sobretudo nos mercados do Reino Unido e da Alemanha, diz um comunicado.

Mais de 80% da facturação foi realizada em mercados estrangeiros..

Gonçalo Quadros, CEO do fabricante, manifesta-se particularmente satisfeito pelo facto de “os bons resultados assentarem não apenas” nos sectores mais tradicionais para a empresa, aeronáutica, exploração espacial, defesa e transportes. Refere-se ao aumento “forte e virtuoso” da actividade do fabricante em sectores como o da energia e o financeiro.

Ainda segundo o responsável, o negócio no mercado alemão e britânico compensou os desafios inerentes aos “ciclos económicos menos bons” que a empresa teve de enfrentar nos mercados do hemisfério sul. O EBITDA do fabricante cresceu para 4,9 milhões de euros, o que corresponde a 16% do volume de negócios.

Já o resultado antes de impostos atingiu os 2,9 milhões, cerca de 10% do volume de negócios global. Em 2017, a empresa espera crescer perto de 20% em facturação e as suas previsões apontam para a contratação de 80 a 100 pessoas.

O negócio no segmento da tecnologia de inteligência para redes de energia, tem sido um dos principais motores do crescimento recente da Critical Software, diz a empresa.

Durante 2016, a empresa abriu novas instalações nas cidades do Porto e de Munique e alargou os seus centros de engenharia em Coimbra, com um edifício adicional, e em Southampton, com um segundo escritório.

Nesta última operação, instalou um novo laboratório dedicado ao teste e certificação de dispositivos inteligentes (“smart devices”).

O negócio no segmento da tecnologia de inteligência para redes de energia, tem sido um dos principais motores do crescimento da empresa, diz um comunicado.

 

*Actualizado com informação sobre a quota de negócio internacional, previsões de crescimento em facturação e recursos humanos.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado