eHealth Summit com nova edição em Março de 2018

Depois de ter acolhido 12 mil participantes, a SPMS planeia realizar a cimeira nos dias 20, 21 e 22 daquele mês, no próximo ano.

spms_dmA eHealth Summit vai ter nova edição em 2018, mais precisamente a 20, 21 e 22 de Março, com expectativas de maior participação de startups por parte dos organizadores. A cimeira de 2017 termina esta quinta-feira depois de acolher dezenas de milhar participantes em sala e 6000 espectadores da emissão ao vivo transmitida por Internet, segundo a Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS).

Considerando profissionais de saúde, de outros ministérios e universidades sénior, o número ascendeu a 12 mil. “Não estávamos à espera de tantas pessoas”, mas mais do que isso, da sua reincidência “em várias sessões”, comentou Henrique Martins,  num breve balanço sobre a cimeira.

O presidente da SPMS  considera ter ficado “mais claro o papel que toda a gente e organizações podem desempenhar, e que há espaço de acção para todos”. Há “falta de empresas de cibersegurança e na área da mobilização e sensibilização dos cidadãos”, exemplificou.

Henrique Martins acredita que a cimeira servirá para “criar uma nova energia” numa comunidade em torno da Saúde e da eHealth em particular. “Noto muito entrosamento entre equipas mais públicas, e pessoas de fabricantes e startups, está a criar-se uma comunidade”, reforça.

“Há ‘players’ intermédios que poderiam estar mais dinâmicos, parecendo estar muito confortáveis nos seu nichos”, considerou Henrique Martins (SPMS).

Sobre a participação das 38 startups considera que “era necessário ter mais tempo” de organização para haver mais presenças. “No próximo ano queremos envolver mais, há muitas que não são de Lisboa”, concretiza.

Nota que muitas das presentes evidenciaram participações de carácter embrionário, ainda a procurar descobrir como estar num evento daquele tipo. “Há ‘players’ intermédios que poderiam estar mais dinâmicos, parecendo estar muito confortáveis nos seu nichos”, considerou ainda, prevendo que a atitude deverá mudar no futuro.

Durante três dias, realizaram-se palestras principais 60 debates, versando temáticas distintas de eHealth relacionadas com empreendedorismo, investigação, financiamento, contratação pública, Big Data, Simplex +, cidadão digital e as várias ferramentas de acesso ao SNS, fraude digital, registo eletcrónico da saúde, entre outras.  O evento reuniu cerca de 250 oradores e moderadores, entre eles mais de 20 especialistas internacionais.

As sessões da sala principal foram transmitidas em directo, diariamente, representando mais de 27 horas de ‘livestreaming’. No palco ‘Spotlight’, junto à área de exposições, realizaram-se 26 apresentações, promovendo, igualmente, o debate de diferentes temas, através de uma abordagem mais informal.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado