Ford tenciona investir mil milhões em IA para automóveis

Ex-engenheiros da Google e da Uber vão trabalhar num sistema de condução automática, a ser disponibilizado em 2021 e que poderá ser licenciado.

ford_ric-pa-autonomous-fusion-100633605-large970-idge

Protótipo Ford Fusion

A Ford planeia investir mil milhões de dólares nos próximos cinco anos, para o desenvolvimento de um sistema de inteligência artificial (IA) para automóveis que prescindem de condutor. O fabricante de veículos tenciona empregar o dinheiro na Argo AI, tornado-se o maior accionista da start-up fundada por ex-líderes de investigação a Google e Uber, na área da auto-condução.

Objectivo comum é fornecer um sistema pronto para implantação em 2021. A investigação em preparação envolverá um sistema de condução digital com classificação de grau “SAE level 4”.

Este constitui um dos cinco níveis definidos para auto-condução de carros e corresponde a um veículo capaz de auto-conduzir-se controlando completamente o veículo em quase todas as condições. É um passo mais avançado face a muitos dos sistemas de demonstrados actualmente, que ainda exigem a assistência do condutor em muitas circunstâncias,  rumo à automação completa.

A Ford já disse que espera ter um veículo comercial de nível 4, pronto a ser vendido em 2021. A Argo AI está sedeada em Pittsburgh e foi fundada recentemente por Bryan Salesky e Peter Rander.

Bryan Salesky, fundador da Argo AI, liderou a investigação em equipamento de auto-condução para a Google.

O primeiro liderou o desenvolvimento de hardware na Waymo, a unidade da Google para carros com sistema de auto-condução. O segundo foi engenheiro da Uber num projecto de investigação na mesma área.

Como outros fabricantes de automóveis, a Ford já iniciou as suas investigações sobre condução autónoma, mas o anúncio da última sexta-feira, estende as suas iniciativas além do seu portefólio. O fabricante avança que tenciona disponibilizar a tecnologia em perspectiva para licenciamento, proposta nova no sector.

A Argo AI vai ter cerca de 200 funcionários a trabalhar no projecto, quando em estiver a funcionar em velocidade cruzeiro.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado