A “asa” da Nokia para IoT

O fabricante vai apresentar no Mobile World Congress um serviço gerido, o WING, cuja arquitectura prevê a integração com redes privadas e comunicações por satélite.

iot_transportesProcurando servir empresas com activos espalhados por grandes regiões, fornecedores e prestadores de serviços começam a disponibilizar ofertas de comunicações para IoT com uma perspectiva até mundial. Durante o Mobile World Congress (entre 27 de Fevereiro e 2 de Março) , a Nokia pretende mostrar o denomina como WING ou “asa”, traduzindo a sigla para português.

A Worldwide IoT Network Grid, uma rede rede mundial de redes para IoT, constitui uma infra-estrutura mundial virtual capaz de acomodar r várias redes privadas, de operadores ou sistemas de satélites. Depende das necessidades de um cliente e de como quer usar os dados recolhidos.

“Uma empresa global pode realmente ter acesso a uma rede virtual de conectividade global para seus dispositivos IoT”, promete Phil Twist, vice-presidente de marketing de redes móveis e comunicações, para a Nokia. A WING estará comercialmente disponível no segundo semestre de de 2017.

A Nokia anunciou-a, poucos dias depois de a Inmarsat ter revelado a sua incursão na IoT global. A WING parece assentar numa visão mais ampla de um serviço gerido capaz de incluir redes de baixo consumo de energia, redes celulares, Wi-Fi e infra-estrutura de comunicações com fio.

Não depende do hardware do fabricante, promete o mesmo, e assim poderá incluir redes construídas por fornecedores concorrentes. A Nokia declara conseguir encadear virtualmente um conjunto de redes a ser disponibilizado por fornecedor de serviços ou para uma empresa multinacional.

A plataforma Impact IoT da Nokia suportará a gestão de todos os dispositivos e subscrições de serviço de vários provedores de serviços, estando preparada para usar tecnologias de eSIM.

A WING servirá para se manter conectados veículos em rede ou contentores de mercadorias à medida que se movimentam pelo mundo, recebendo automaticamente as transmissões de satélite, segundo a Nokia.

A plataforma Impact IoT da Nokia suportará a gestão de todos os dispositivos e subscrições de serviço de vários provedores de serviços. E está preparada para usar eSIMs, uma forma definida por software dos Subscriber Identity Modules (SIM) usados nos telemóveis.

Isso facilitará a transposição de equipamentos de sensores da rede de um operador para o outro. A Impact estará focada na análise de dados para fins operacionais, como optimização de níveis de segurança e experiência do cliente, mas também para algumas aplicações verticais.

O foco nos mercados verticais inclui os da energia, saúde, segurança pública e transportes, além das cidades inteligentes. Já inclui uma plataforma para analítica sobre fluxos de vídeo, que serve por exemplo para monitorizar padrões de tráfego.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado