Cenário de seis tendências de fraude na “Black Friday”

A RSA definiu o ambiente de ameaças e práticas em cibercriminalidade que podem afectar retalhistas e consumidores.

seguranca_black-friday_hi  Na próxima sexta-feira, ocorre mais uma “Black Friday”, fenómeno comercial com origem no EUA, em que os retalhistas praticam reduções de preços na ordem dos 60%.

Como é habitual, os ciberdelinquentes aproveitam para cometer fraudes. A RSA, divisão de segurança da Dell Technologies, lançou um alerta sobre as tendências de fraude digital e elaborou uma série de conselhos para evitá-la nas compras online:

‒ há um aumento em actividades com cartões de crédito e quando os cibercriminosos sabem que têm um prazo limitado para vender os cartões de banda magnética roubados ou retirar dinheiro das ATM;

‒  conforme se aproxima a data, incrementa a produção de cartões falsificados para utilização em todo o tipo das operações, tanto físicas como online. Na Darkweb é possível encontrar mais ferramentas de clonagem de chips EMV.

‒ ransomware, infecção de sistemas de SEO e “malvertising”: os ciberdelinquentes atacam as páginas de comércio electrónico para enviar ransomware aos compradores.

‒ fraude sem presença de cartão cresce: os chips EMV oferecem pouca protecção para minimizar os danos de fraude sem presença de cartão,quando alguém realiza transacções online, através de telefone ou correio electrónico. A burla ocorrerá no canal com menor protecção.

‒ ocorre um aumento de ataques por phishing, tendo por objectivo o roubo de identidades a com o objectivo de obter informações para solicitar um novo cartão de crédito.

‒ as implementações imperfeitas de chips EMV no retalhistas são alvo de fraude, é uma oportunidade para os ciberdelinquentes, por exemplo, manipulando os campos de dados na transacção real através da inserção dos do cartão roubado.

Recomendações:

‒ Suspeitar de aplicações móveis que pedem demasiadas permissões, verificar a origem das aplicações e, em particular, do editor das aplicações;

‒ introduzir os dados dos cartões de crédito apenas em páginas de compras seguras;

‒ evitar a utilização de passwords simples e usar a dupla autenticação se possível;

‒ não instalar software quando exigido pelas páginas para
a realização de compras;

‒ não usar redes públicas para realizar as compras;

‒ desconfiar de grandes ofertas que chegam por correio electrónico e não clicar nos links;

‒ desactivar a localização do dispositivo móvel para minimizar os possíveis dados pessoais que poderiam vir a estar comprometidos.


Tags


Deixe um comentário

O seu email não será publicado